Somos donos de nós mesmos? controlamos nossas vidas? ou somos controlados?

4min. de leitura

Você não está no controle!

Somos donos de nós mesmos?  Controlamos nossas vidas? Ou somos controlados?



Recentemente assisti à nova série da HBO, Westworld, e ela me levou a algumas reflexões.

De imediato já afirmo que não pretendo falar sobre ela, mas em função dela.

Após o primeiro episódio, comecei a refletir sobre alguns pontos da vida, a questionar assuntos dos quais evitava, como perguntas que não devemos realizar.


A série aborda um futuro avançado tecnologicamente, onde foi possível a criação de robôs humanos, que possuem sentimentos, expressões, características e histórias. Onde todos fazem parte de um grande projeto chamado ‘Westworld’, um parque temático criado para satisfazer os desejos dos mais ricos.

Tudo é maravilhoso e bem planejado, e cada robô segue um script bem definido, imaginando-se como humanos, vivendo suas vidas naturalmente, em um mundo antigo. Até que em determinado momento, um desses robôs começa a se questionar, percebendo que há algo maior e mais complexo, que o mundo onde ele vive não é real. E aí que a história realmente se entrelaça com a realidade.

Estou longe de dizer que somos máquinas em um parque temático. Mas… até onde somos verdadeiramente humanos? Até que ponto alcança nosso controle e liberdade?

Escolhemos ser aquilo que desejamos ou desejamos ser aquilo escolheram?


Nossas ações não são, afinal, limitadas ou motivadas pelo que alguém deseja?

Será que não seguimos um script?

Desde pequenos somos condicionados.

Pela educação. Pelos padrões da sociedade. Pela família. Na escola somos condicionados a nos vestir igualmente aos demais, aprendemos as mesmas coisas, os mesmos pontos de vista.

A sociedade nos condiciona a pensar em camadas. Uns são ricos, outros não. Uns são bonitos, outros feios. Uns inteligentes, outros burros. E a família nos transmite os mesmos valores passados a eles por outra geração.

Realmente tomamos nossas decisões ou somos influenciados a seguir por aquilo que o ensino, a mídia, o governo ou as marcas desejam?

Desde quando temos controle de nossas vidas? Ou melhor, desde quando somos influenciados a ser como hoje?

Somos massa, esperando o molde para tomar forma. Somos construções. Idealizações de alguém que queria ser algo e não pôde, ou o foi e deseja perpetuar, e assim, alguém antes dele o foi e lhe influenciou.

Será que um mendigo escolheu a vida que teria? Ou as circunstâncias o levaram aquilo? Ou alguém? Ou algo? Será que um médico realmente escolheu gostar da biologia humana? Ou foi influenciado a seguir um itinerário, de acordo com o padrão que havia sido criado?

Você poderia ser algo, mas não foi porque seus pais não gostariam que fosse. Seus pais não foram algo para não decepcionar os deles. Seus avós não foram algo para não desrespeitar os deles, e no final, alguém sempre limitava alguém. Mas quem começou a limitar?

Meu objetivo não é afirmar que somos todos uma grande farsa ou que não tomamos qualquer decisão por livre-arbítrio, mas levar a um questionamento sobre o quanto realmente somos livres, o quanto estamos no controle.

Qual a próxima história que vão lhe contar?

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

* Matéria atualizada em 30/11/2017 às 2:55






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.