Somos todos Maria!

Maria tem 43 anos, é casada e tem dois filhos adolescentes. Graduada, fala outras línguas e tem um bom nível social e econômico.

Seu último emprego foi em uma multinacional de seguros na qual tinha o cargo de gerente comercial.

No momento, está em busca de recolocação profissional. Sente-se perdida e suas emoções oscilam entre medo, tristeza e raiva.

A autoestima está baixa. Não sente vontade de sair e ver pessoas. Assim, isola-se.

Network? Sabe que precisa, mas não sente vontade.

Dorme e se alimenta mal. Deixou de fazer exercícios físicos.

Passa o dia olhando sites de recolocação em busca de oportunidades em sua área, mas no fundo, não sabe muito bem o que quer.

Ainda não conseguiu traçar um plano.

Precisa de orientação financeira e psicológica, mas ainda não buscou ajuda.

Alguém se identifica com o perfil acima? Poderia ser o perfil do João também. Parece que foi escrito para você, que está se olhando no espelho?

A verdade é que o gênero pouco importa. No final, somos todos seres humanos e temos as mesmas reações e sentimentos frente às situações de estresse.

E o desemprego é uma das piores dores.

Sim, a sensação é exatamente essa. Mas isolar-se ou deixar de desabafar só vai piorar o seu estado e não resolverá seus problemas.

A falta de perspectivas, com milhões de desempregados e o mercado em constante transformação, tornam tudo mais desafiador. Mas existem caminhos possíveis, e acreditar nisso é o início da reversão desse quadro.

É preciso mudar a vibração e acreditar que você pode se reinventar!

E isso significa abrir inúmeras oportunidades, que vão muito além de uma recolocação.

Olhe-se mais! Perceba-se por inteiro! Comece por entender seus anseios, por identificar seus potenciais e habilidades.

Lembre-se de que o mundo pede pessoas de múltiplas competências e você com certeza tem algo de bom para oferecer.

Valorize-se para que possa ser percebida como uma pessoa que tem com o que contribuir. Somos aquilo que emitimos para o outro.

 Algumas tendências sem volta:

– Cada vez temos mais pessoas contratadas como PJ, ou seja, sem ser pela CLT.

– A transformação digital vai extinguir com muitos cargos e profissões.

– Muitas profissões do futuro ainda não existem.

Sendo assim, talvez não seja a hora de tentar algo totalmente novo e diferente do que você fazia?

Ler os sinais e entender o fim dos ciclos é importante! E acreditar que é possível, é o início da sua transformação! Saia da inércia! Conecte-se com pessoas. Trace seu plano.

Você não está sozinho! Arregace as mangas e vá à luta!

Talvez você se identifique com Maria ou mesmo conheça alguma, afinal são muitas “Marias” no nosso Brasil.

As perguntas que ficam são: sendo Maria, você se vitimiza ou vai à luta? Conhecendo Maria, você finge que não vê a realidade ou faz algo para ajudar? No final, somos todos Maria!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF / Imagens



Deixe seu comentário