Comportamento

Sósia do “véio da Havan” já tem mais de 10 peças de roupas iguais de Hang, mas evita usar em público

Foto: Reprodução
sosia

Ele chegou a visitar o empresário, e desfrutou de alguns minutos em seu escritório, junto com a filha de sete anos, mas só conseguiu ser recebido quando se vestiu de sósia.

Conhecer o sósia de uma pessoa famosa pode ser capaz de fazer com que nosso cérebro sinta que está “dando um nó”. Reconhecer a similaridade entre pessoas que sequer são parentes é algo estranho, mas ainda assim é uma profissão possível para alguns. Não tem muito o que se possa fazer, se existe uma similaridade entre você e alguma celebridade – seja ela brasileira ou estrangeira – provavelmente recebe com frequência os comentários sobre a aparência.

Para Adão Cordeiro, de 56 anos, descobrir que era muito parecido com o empresário Luciano Hang, conhecido como o “véio da Havan” acabou se revelando uma novidade. A cabeça sem cabelos, alguns traços do rosto e as roupas, se unem em uma perfeita conjunção capaz de deixar até os familiares mais próximos com dúvidas.

Uma reportagem do Tab UOL, de Hygino Vasconcellos, mostrou de perto a vida de Adão, e como ele lida com a similaridade que possui com uma figura tão conhecida da população brasileira nos últimos anos. Ele começou a ser comparado com Hang quando trabalhava como condutor socorrista no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), em Telêmaco Borba, no Paraná. Assim que os colegas insistiram com a questão, ele decidiu comprar uma camiseta verde e pedir para estampar a frase: “O Brasil que queremos só depende de nós”.

Desde esse momento, sempre que colocava a camiseta, mais pessoas passavam a enxergar nele o próprio Luciano Hang, que tem o hábito de usar a mesma camiseta, mas de produção das suas lojas. Aos poucos ele foi integrando o guarda-roupas para que ficasse mais aproximado das peças usadas pelo empresário, incluindo um terno verde, sapatos amarelos, entre outros.

Screenshot 21 5

Direitos Autorais: Reprodução/Instagram

De acordo com Cordeiro, muitas das peças acabam recebendo desconto quando ele explica que são para compor o visual de “véio da Havan”, principalmente entre aqueles que gostam do empresário, ou que simpatizam com os mesmos ideais políticos de direita, sendo costumeiros apoiadores de Jair Bolsonaro. Sem o patrocínio, ele teria gasto cerca de R$ 2 mil do próprio bolso, mas os lojistas ajudaram no processo de caracterização.

O sósia revela que não tem o hábito de sair com frequência se vestindo como Hang, isso porque a polarização política pode acabar fazendo com que crie inimizades ou podendo gerar confusões. Como a vestimenta do empresário é extremamente patriota, sempre carregando elementos da bandeira do Brasil, seja nas cores ou no próprio desenho do item, acaba remetendo para o bolsonarismo, o que desagrada muitos cidadãos.

Mas Cordeiro explica que não tem o desejo de causar confusão, é apenas um personagem que criou para copiar, e que por isso tenta escapar de qualquer atrito, evitando, principalmente, sair vestido de Hang o tempo todo. Em maio deste ano, ele decidiu ir até o centro administrativo da loja de departamentos, que fica em Brusque, Santa Catarina, acompanhado de sua esposa e de sua filha, de sete anos.

Screenshot 19 7

Direitos Autorais: Reprodução/Arquivo Pessoal

Sem marcar hora ou sequer saber se Hang estaria no local, ele conta que conseguiu chamar a atenção de todos quando colocou as roupas de sósia, o que fez com que passassem cerca de 10 a 15 minutos no escritório do empresário, sendo recebidos por ele. Para Cordeiro, esses momentos ao lado dele foram gratificantes, e não se arrepende de ter investido na tentativa.

Concurso “É a cara do véio”

A Havan organizou um concurso agora em julho para o público escolher um dos sósias mais parecidos com Luciano Hang, e o resultado da votação foi mostrado no dia 7 de julho. Adão Cordeiro, que era um dos finalistas, ficou em segundo lugar, atrás de Sandro Darolt, que recebeu 22.883 votos pela internet. O vencedor recebeu R$ 3.000 em vale-compras na Havan, o segundo lugar, R$ 1.500, e o terceiro, R$ 1.000.