Notícias

Sucesso com a banda Lucio Mauro e Filhos no “Caldeirão”, ator abre a intimidade com sua prole: “Tomo bronca e sou ciumento”

Sucesso com a banda Lucio Mauro e Filhos no ‘Caldeirao ator abre a intimidade com sua prole

Com os versos “O recado é o seguinte/ A hora é agora, e vamo que vamo/ Trabalho, trabalho novo/ Trabalho, trabalho novo”, a música “Livre iniciativa”, da banda pernambucana Mundo Livre S/A, seria a pedida por Lucio Mauro Filho no quadro do “Fantástico” que permite ao jogador escolher seu tema da vitória após emplacar três gols. Craque da vez, a partir do próximo sábado, dia 5, Lucinho vai desfilar seus talentos como humorista, músico e ator na tela da Globo. No início da tarde, dará o ar da graça como Aldemar Vigário na nova “Escolinha do Professor Raimundo”; em seguida, surge no “Caldeirão” como líder da banda do quadro “Sobe o som”, numa parceria explosiva com Marcos Mion; e, à noite, faz sua estreia na novela “Quanto mais vida, melhor” no papel do advogado Cardoso, que vai cuidar dos interesses de Guilherme (Mateus Solano) na separação litigiosa que o médico travará com Rose (Bárbara Colen).

Está sendo um ano bom, em meio a tanta loucura e falta de oportunidade. É um sonho para qualquer artista ter a possibilidade de, num mesmo dia, oferecer ao público três trabalhos tão diversos. Valeu a pena ser essa pessoa que sou, com tantos e tão malucos interesses — afirma ele, citando a hiperatividade como um possível entrave, caso fosse convidado a participar do “Big Brother Brasil” no grupo Camarote: — Acho a experiência sensacional! O problema é que eu trabalho muito. Não me lembro qual foi a última vez em que parei a minha vida para fazer uma coisa só. E tem a minha família… Eu sou muito apegado! Minha maior questão seria a pequena Liz (sua caçulinha, de 4 anos). Em dezembro, com Covid, confinado na minha própria casa, já me desesperei por não poder ficar agarradinho com ela por 15 dias… Imagine três meses! Mas, por agora, já lancei a semente, sugerindo ao Boninho, sem pressão, que Lucio Mauro e Filhos toque numa festa do “BBB 22”. Eu ficaria muito honrado em fazer essa participação mais do que afetiva.

Foi o Big Boss do reality show quem determinou que o diretor artístico LP Simonetti acionasse o “big fone” convidando Lucinho para integrar a equipe do “Caldeirão”, depois que seu nome surgiu e foi aprovado por todos da reunião de cúpula que decidiu as reformulações do programa.

Na hora em que recebi a ligação, eu estava gravando a novela com Mateus (Solano). Retornei a chamada assim que terminamos as cenas, eram umas 22h. LP me perguntou: “Você curte o Mion?”. E eu: “Muito! Inclusive, falei com ele hoje de manhã, dando as boas-vindas à Globo. Eu disse que o que ele inventasse, era só me chamar”. LP ficou em silêncio, boquiaberto: “Lucinho, não sei nem o que dizer. Estou ligando justamente para perguntar se você quer vir trabalhar com Mion no ‘Caldeirão’. Mas ele nem sabe disso ainda”. Eu acredito piamente que esse nosso encontro estava escrito. Não sabia se eu tinha as credenciais necessárias para abraçar essa missão, mas topei na hora, por causa dos irmãos com quem eu trabalharia. É gente em que eu confio e que amo demais — conta, aos 47 anos.

O carioca conhecera o paulista em 2006, por intermédio de amigos que contracenaram com ele na peça “Camila Baker — A saga continua”.

Quando a peça veio para o Rio, fiz um churrasco aqui em casa, reunindo todo mundo. Depois, eu e Mion voltamos a nos encontrar no elenco do filme “Muita calma nessa hora” (2010) e, recentemente, no “Compro likes”, do (diretor) André Moraes, que ainda não foi lançado — detalha Lucinho, contando que essa amizade reacendeu com a parceria no “Caldeirão”: — A afinidade impressa na tela é realmente muito afetuosa. É uma vontade de ver esse parceiro brilhar. Eu já sabia o tempo inteiro da capacidade dele, minha missão era dar o meu melhor para ajudá-lo a reluzir. Muita gente comentou: “Que loucura é essa? Como o Mion virou essa unanimidade?”. Cara, eu sempre tive essa certeza, desde quando o via na MTV, e ele aparecia em cena como um furacão. Então, você imagina o meu orgulho de, humildemente, fazer parte desse sucesso…

Marcos Mion considera o amigo o seu “carimbo global”:

Ter Lucinho ao meu lado faz todo o elenco abrir um sorrisão e chegar de braços abertos no programa. Ele é o melhor ser humano que existe. Não tem uma só pessoa que não goste dele. É de uma energia, uma doçura… E tem uma criatividade fenomenal, fora do padrão! É uma honra dividir com ele esse sonho do “Caldeirão”, que agora é a nossa realidade.

No “Sobe o som”, o artista virou troféu, o Lucinho Bronzeado, entregue aos vencedores da competição musical a cada sábado (“Me sinto lisonjeado e um pouco envergonhado por ir parar na prateleira de tanta gente. É uma homenagem muito fofa!”, diz). E, literalmente, deu nome à banda, num trocadilho com sua assinatura artística.

trofeu lucinho bronzeado do caldeirao

O músico virou troféu, o Lucinho Bronzeado Foto: Reprodução de Instagram

Os integrantes da Lucio Mauro e Filhos me chamam de pai, de papito… São mais filhos que eu ganhei pra vida, irmãos da Liz, da Luiza (de 16 anos) e do Bento (de 18). Assim como todo o elenco de “Malhação — Viva a diferença” (2017), que eu abracei como pai na minha volta às novelas, depois de 14 anos sendo Tuco, o filho de “A grande família” que não queria crescer, e Alfredinho, o filho gay de Jorge Dória no “Zorra total” (1999) — relembra ele, elogiando os companheiros de palco: — É gente muito talentosa, do primeiro escalão da música brasileira. São filhos que ensinam ao pai, neste caso. O que eu aprendo com essa galera da banda, acho que nenhum curso poderia me ensinar.

Além do público, acostumado a acompanhá-lo em trabalhos de humor, interpretando ou dublando personagens, o vasto conhecimento musical e o talento vocal de Lucinho surpreenderam até mesmo os parceiros de programa. À semelhança de milhares de telespectadores, Mion não segurou a emoção ao ver o dueto do amigo com Teresa Cristina no clássico romântico “Endless love”.

Ele é um artista modelo, completo. Eu conhecia só o ator, mas quando conheci o músico, me impressionou de um jeito absurdo! — entrega o baterista Dedê Silva, da Lucio Mauro e Filhos.

lucinho canta endless love com teresa cristina

Lucinho e Teresa Cristina no emocionante dueto de “Endless love” Foto: Reprodução de Instagram

O tecladista Uiliam Pimenta, o trompetista Vinicius Lugon, as backing vocals Fegab e Cláudia Elizeu e a percussionista Silvanny Sivuca exaltam a generosidade e a positividade de seu bandleader, enfatizando: “Todo mundo AMA o Lucinho”.

Ele é incrível! É a prova de que ainda existem pessoas especiais, que valem a pena cada segundo do nosso tempo. Os poucos meses de convivência parecem anos. Afinal, assim são os amores, né? — ressalta Silvanny.

lucio mauro filho sapatinho popstar

Com o sapatinho de bebê, no “Popstar”: Liz estava a caminho Foto: Reprodução de TV

Produtor musical do “Caldeirão”, Maurício Oliveira lembra que a performance musical do amigo na TV não é novidade. Em 2017, ele brilhou no “Popstar”, chegando a ser um dos finalistas do reality — ocasião em que anunciou para todo o Brasil, com um sapatinho de bebê nos dedos, que seria pai pela terceira vez:

Quando penso no Lucinho, me vem um sorriso à mente, um aconchego ao coração, uma leveza de alguém que sabe partilhar tudo com amor. Eu o conheço há quase 25 anos! Lembro com carinho quando o levamos para cantar no “Popstar” e fizemos, na correria, um arranjo super-roqueiro no palco, e de como a confiança dele fez a música fluir. Aliás, foi esse o espírito quando eu e Lucas (Marcier) montamos essa superbanda, que além de competente é cheia de amor e senso de colaboração.

lucio mauro filho voltou as novelas em malhacao como pai

Lucinho abraçou o elenco de “Malhação — Viva a diferença” como filhos Foto: Reprodução de Instagram

Apaixonado por música, Lucinho reúne uma discoteca com pelo menos dois mil títulos, entre CDs e LPs, em casa. Muitos, herdados do pai, Lucio Mauro, da época em que ele era jurado do programa do Chacrinha e recebia todos os lançamentos das gravadoras. A coleção chegou a somar cinco mil discos, mas ele doou muitos. Só parou de se desfazer do material quando Bento demonstrou interesse: o primogênito acaba de passar no vestibular para cursar Música e já fez shows com o pai.

A paixão dele pelas artes é transmitida para mim todos os dias e compõe 80% de tudo que eu já aprendi na vida. Ninguém nunca me pareceu melhor pessoa para eu dar ouvidos do que o meu pai, porque ele tem sempre algo que eu queira ou que talvez precise ouvir — afirma o rapaz.

lucio mauro filho toca com o filho bento

Pai e filho em um show: Bento herdou o gosto pela música de Lucinho Foto: Reprodução de Instagram

Luiza, por sua vez, volta e meia brinca com o equipamento de DJ de Lucinho. E Liz tem ganhado instrumentos musicais de presente e se divertido com eles em frente à TV.

A “irmã” percussionista dela, Sivuquinha, manda um instrumento aqui pra casa a cada semana. Já veio pandeiro, timbal… Agora, Liz assiste ao programa tocando junto com ela — orgulha-se o pai coruja, entregando que a prole o atualiza sobre as novidades das playlists, que ele monta a cada domingo em seu perfil no Spotify: — Meus filhos me deixam conectado com a música da juventude. Quase cinquentão, tenho uma tendência à nostalgia: The Beatles, Caetano Veloso, Chico Buarque, Fagner, Elza Soares… No “Caldeirão”, quando chega um Pedro Sampaio, uma Luísa Sonza, eu conheço por causa de Bento e Luiza. E Liz me inteirou sobre “Princesinha Sofia” e “Encanto” (animações da Disney). Sou capaz de cantar todas (risos).

lucio mauro filho e os filhos 2

Lucinho e os três filhos: amizade e ciúme Foto: Reprodução de Instagram

O gosto musical eclético — cultivado desde a infância, quando acompanhava o falecido pai e a mãe, Ray Luiza, de 74 anos, nas noites boêmias do Rio —, ele acredita ter contribuído para que fosse o escolhido para comandar o “Sobe o som”.

Escuto tudo: reggae, rock, pop, sertanejo, piseiro… Mesmo na música mais estranha, eu descubro algo interessante — afirma, confessando trabalhar dia após dia seu desconforto com alguns sons: — Todos somos preconceituosos, a verdade é essa. Nasci no Leblon, sou branco, um privilegiado. Não posso ter a audácia de dizer que não tenho preconceitos. Fala sério! Eu vou lutar contra isso até o fim da minha vida.

lucio mauro filho e pai

Com o pai, Lucio Mauro: “grande homem” Foto: Reprodução de Instagram

Também nessa luta, conta Lucinho, ele se faz aprendiz, e não professor, dos filhos:

Eles têm total liberdade para me alertar: “Pai, isso aí não se fala mais”. Eu tomo bronca deles! E sou ciumento com os três. Não tem essa coisa sexista de só me incomodar quando “os machos chegam perto das minhas meninas”. Isso é cafona! Tenho ciúme do Bento também! Luiza é muito minha parceira, conta tudo pra mim. Não porque eu peça, mas porque a gente criou um canal de comunicação que tornou possível essa intimidade. Tenho um orgulho enorme disso!

lucinho e a mae luiza

Lucio Mauro Filho e a mãe, “Dona Lu” Foto: Reprodução de Instagram

A adolescente confirma: a troca entre os dois é muito genuína e espontânea.

Meu pai é simplesmente a pessoa mais legal que eu conheço! Conversamos sobre tudo, ele me dá os melhores conselhos e ensina as melhores formas de lidar com qualquer situação, seja boa ou ruim. É muito brincalhão, tem sempre uma piada para soltar e alegrar completamente o meu dia. E suas histórias são incríveis! Quando ele conta, parece que está me falando sobre o roteiro de um filme!

lucio mauro filho e a mulher cintia

Com Cíntia: 23 anos de união, sem perfeição Foto: Reprodução de Instagram

Toda essa harmonia na vida pessoal e na profissional, ele ressalta, só se faz possível por causa de uma parceria fundamental, que já dura 23 anos: a com sua mulher e empresária Cíntia Oliveira.

Nossa relação está testada e aprovada, 23 anos não são 23 dias. No nosso meio, a gente conhece muita gente interessante. Estarmos juntos, independentemente dos nossos filhos, é uma escolha. Ela é mesmo o grande amor da minha vida, a vontade é continuarmos juntos para sempre. O tempo que vai durar, não podemos prever, mas podemos fazer por onde. Eu procuro fazer por onde. Meus pais ficaram casados por quase 50 anos. Lucio Mauro foi um grande homem porque tinha uma grande mulher, Dona Lu, com ele, dando suporte.

lucinho com mateus solano na escolinha

Lucio Mauro Filho e Mateus Solano na “Escolinha”: Aldemar Vigário e Zé Bonitinho Foto: Reprodução de Instagram

Cíntia detalha como é a versão caseira do marido, que tem um perfil mais “amigão” das crias.

Como pai, ele é um carrapato, grudado com os filhos. É do papo olho no olho, da conscientização, do empoderamento. Eu sou mais das regras (risos). Como casal, tentamos buscar o equilíbrio. Ele gosta de comer nas horas certas com todos à mesa , arruma cama, faz café e lava louça. Isso todo mundo soube na pandemia, quando ele fazia diariamente a “Louça live” — lembra ela, pontuando que a chegada de cada um dos filhos remete a sucessos do companheiro na TV: — Bento e Luiza nasceram durante “A grande família” e “Sexo frágil”. Já Liz foi concebida durante o “Popstar”, trabalho com que a gente, enquanto família, mais se envolveu. Torcíamos, íamos às gravações, vestíamos a camisa mesmo. Somos todos muito entusiastas da carreira do Lucio Mauro Filho. A alegria agora é vê-lo brilhar fazendo o que gosta, cantando e tocando, tipo um adolescente, no “Caldeirão”.

guillherme mateus solano cardoso lucio mauro filho simone debora lamm rose barbara colen quanto mais vida melhor

Cardoso, Guilherme, Simone e Rose: briga na justiça e caso no motel Foto: João Rede Globo/Divulgação

Na relação a dois (ou a cinco, se incluídos os filhos), Lucinho confessa, nem sempre tudo é um mar de rosas.

— Eu e Cici conversamos sobre tudo, a gente tenta ser o mais verdadeiro um com o outro. Eventualmente, nós nos magoamos, como qualquer casal. Não tem essa de perfeição aqui. Aliás, casal perfeito, com certeza, está errado — sentencia.

Nisso, doutor Cardoso concordaria com seu intérprete. O advogado de “Quanto mais vida, melhor” tem um pezinho no humor e não se mostra muito ético ao defender seu cliente, Guilherme.

Ele é o típico malandro, segue aquela frase do (comediante) Groucho Marx: “Estes são os meus princípios; se você não gostar, tenho outros”. Cardoso dança conforme a música e responde o que o cliente quer ouvir — adianta, sublinhando: — É um estereótipo, claro, não representa a maioria dos advogados. Mas a gente sabe que profissionais assim, que se aproveitam do ressentimento dos outros e o insuflam, existem. Puro oportunismo.

Em cena, Lucio Mauro Filho repete a dobradinha com Mateus Solano, o Zé Bonitinho da nova versão “Escolinha do Professor Raimundo”.

Sou fã dele desde o milênio passado. Tive a honra de sentar ao seu lado na sala de aula do humorístico, e agora Lucinho me aparece como meu advogado na novela… Diversão garantida! Um amigo que quero pra sempre por perto! — festeja Solano.

Para ficar tudo ainda mais em casa, o ator faz par com Débora Lamm, amiga de longa data com quem já contracenou várias vezes.

Somos amigos há muito tempo, já fizemos juntos teatro, cinema e televisão. Quantas crises de riso ele me proporcionou! Lucinho é a alegria de qualquer coxia! — diz ela, que na trama das sete será Simone, contratada por Rose para defender seus interesses no tribunal.

Se na audiência a dupla de advogados solta faíscas, é entre quatro paredes que o improvável casal pega fogo.

Esse caso é um fetiche para Cardoso, mistura a disputa com o tesão. Isso traz uma comicidade extra para o personagem. É uma situação deliciosa: da rivalidade clássica, em frente ao juiz, eles vão direto para o motel — entrega o ator, revelando que o reencontro com Solano e Débora para este trabalho o salvou: — Essa novela é muito especial pra mim porque foi meu primeiro trabalho em meio à pandemia. Eu estava inseguro, fiquei muito fragilizado pela Covid. A primeira vez que eu peguei o vírus, em agosto de 2020, foi barra pesada. Mexeu comigo psicologicamente, tive sequelas físicas que precisei tratar no pós… Sempre fui um cara muito impetuoso, destemido. De repente, comecei a perder muita gente próxima para a doença. Em junho, mês do meu aniversário, foram sete queridos! Cheguei para gravar frágil, como nunca tinha me sentido na vida, sinceramente. Nem contei isso pra ninguém, porque achei que teria a capacidade de me desvencilhar da insegurança e da ansiedade, e consegui. Isso porque eu tinha irmãos ao meu lado, Mateus e Débora. É uma gratidão que eu vou levar para sempre comigo, essa rede de proteção que me amparou nessa fase difícil.

0 %