Comportamento

Tia se recusa a cuidar dos sobrinhos caso não receba pagamento como babá: “Detesto crianças”

Foto: Unsplash
capa site Tia se recusa a cuidar dos sobrinhos caso não receba pagamento como babá Detesto crianças

Ao completar 18 anos, a jovem passou a não querer mais cuidar dos sobrinhos, principalmente por nunca ter recebido nenhum valor pelo “trabalho”.

As relações interpessoais têm a capacidade de fazer com que os indivíduos aprendam a expor seus pontos de vista e suas personalidades, buscando uma forma de se impor no espaço de convivência. Quando essas relações se estendem para o campo familiar, muitas vezes deixamos de ser tão compreensivos como quando nos relacionamos com estranhos, amigos ou colegas, isso porque por vezes sentimos que nossos parentes não se incomodam em lidar com nossas verdadeiras características.

Como recusar o pedido de um familiar que, em muitos momentos, consideramos um pouco “folgado”? Com certeza não seria da mesma forma que nos recusaríamos a atender a um pedido de um chefe, não é mesmo?! Isso se o recusássemos. Um relato anônimo no Reddit expôs justamente essa dificuldade que as pessoas têm de não saber como recusar o pedido de ajuda, mas também de saber se impor nessas relações — sabendo que isso pode causar certo desconforto entre os parentes.

A jovem de 18 anos à época do relato usou a plataforma para explicar que suas irmãs têm três filhos cada uma, sendo o sobrinho mais velho de 9 anos e o mais novo de 1 ano. Recentemente, ambas chegaram a ligar pedindo que cuidasse dos sobrinhos, mas ela estava um pouco saturada de como as coisas eram conduzidas, então preferiu dizer que não tinha disponibilidade.

Como era de se esperar, os pais da jovem se sentiram consternados e chegaram a dizer que ela estava agindo de maneira “irracional” ao se recusar a ajudar as irmãs. Muitas pessoas se sentiriam constrangidas com a situação, afinal qual o problema de cuidar dos próprios sobrinhos vez ou outra? Mas na continuação de seu relato, ela deixou bem claro quais eram seus motivos para a recusa.

De acordo com a jovem, ela não gosta de crianças, não se sente uma boa babá por não saber como interagir com os sobrinhos, além de não ter nem um pouco de paciência, porém explicou que chegou a dizer às irmãs que estaria disposta a cuidar das crianças, dependendo do valor que elas lhe pagariam por hora.

O pedido de pagamento causou ainda mais insatisfação, isso porque as irmãs acreditavam que ela deveria cuidar das crianças de graça, já que era tia, por isso preferiu recusar a proposta, deixando as duas muito insatisfeitas. “Só para esclarecer, eu fui babá nos últimos anos, quando tinha 13 ou 14 anos, e nunca recebi o pagamento que elas me prometeram.”

Ela ainda contou que as irmãs a chamam para cuidar dos sobrinhos para irem a festas ou beber com os amigos, o que, para ela, não eram motivos importantes. Quando era ainda uma adolescente, chegou a tentar se impor, explicando que não queria cuidar das crianças, mas seus pais sempre intervinham na situação, obrigando-a a ficar com as crianças.

Como já tinha completado 18 anos, para a jovem era natural não cuidar mais das crianças. “Eu só não quero lidar com seis crianças por um dia inteiro, especialmente sendo não remunerada.”

Seu pai ainda tentou explicar, dizendo que as duas filhas apenas sentiam que os 20 e poucos anos estavam passando e que não conseguiam se divertir como antes, mas a mais jovem não mudou de ideia e ainda defendeu que isso não era seu problema, já que não era mãe como as irmãs.

“Se elas quisessem aproveitar seus 20 e poucos anos, não deveriam ter tido um filho, muito menos três cada uma”, reforçou a jovem. Finalizando o assunto, ainda explicou que, além de as crianças a deixarem irritada, não sabe como lidar com elas e fica facilmente sobrecarregada, e não queria mais se sentir assim.

Nos comentários, boa parte dos usuários ficaram do lado da jovem, apoiando suas reclamações. Um internauta disse que a família precisa estar disposta a ajudar em um aperto ou emergência, mas que ela não deveria ser obrigada a cuidar de seis crianças, e sem receber nem um centavo, enquanto as irmãs se divertiam.

0 %