ColunistasRelacionamentos

Tinder e o sentir-se só

tinder e o sentir-se só

Hoje me deparei com um pensamento interessante: “somos um cardápio humano?” Numa era onde os homens e mulheres podem se ver ao toque de um dedo, nós nos tornamos mais sozinhos e infelizes do que nunca!



Perceba, a todo momento sites como o Tinder lhe aparecem com um imenso “cardápio” de escolhas! Pessoas lindas que dizem em seus perfis “cansadas de conversas e pessoas superficiais”, porém ao se tentar um match com qualquer uma delas, se não for da categoria de beleza, você jamais sairá.

Assim como você, que ao receber um match de uma menina(rapaz) que não é de sua categoria de beleza você também não vai querer.

E sempre dizemos para nós e para os outros que “procuramos algo diferente, alguém além de beleza”. No fim tudo que observamos é só a beleza, são só corpos, objetos, as viagens, onde realmente se encaixa esse “além da beleza?”


Sites como esse exercitam em nós o poder de agir por puro instinto visual, eles impregnam você com os “tops” da semana, eles o motivam a gastar mais para ser bem mais visualizado.

No fim, você mesmo tendo um match, olha e percebe que não é a pessoa que realmente queria, você queria uma top, uma(um) modelo, e no fim? Você, mulher, queria um homem belo, inteligente e com dinheiro… e no fim?

Eles indiretamente lhe dizem: “Você merece apenas isso, você tem que merecer aquilo que sua aparência indica”.

Diga-me, você realmente acha correto(a) esse tipo de atitude? E então nós nos sentimos sós, porque não temos a chance de ter “o melhor do melhor”, como se fôssemos divididos iguais a carnes no rodízio.


Você acha isso correto? Veja, o mundo tenta de tudo para nos reduzir à matéria, sem espírito, a um animalismo seletivo, e por quê?

Porque é muito mais fácil dominar pessoas que podem ser classificadas e colocadas pensando igual, é mais fácil criar um pensamento que possa abranger homens e mulheres, assim é fácil dividir “quem deve comer tal comida, quem deve escolher certo tipo de pessoa para sair, qual cor ou filme deve ser colocado nos cinemas”.

Classificar e reduzir o ser humano ao materialismo cria pessoas que seguem “tendência” e, ao criar pessoas assim, os grandes veículos sociais conseguem vender mais, apenas porque conseguiram nos reduzir a meros animais que respondem ao que eles pedem por causa da recompensa.

E assim eles conseguem vender “o melhor” e você não sabe que “o melhor” é a recompensa que você ganhou por ser um animal social sem vontade.


Agora pergunte-se porque você gosta de homens muito ricos? Ou com muitas posses? E que na verdade são frios e tristes, porque a sociedade os fez desse jeito. E porque você prefere uma supermodelo, ou uma “gata de óculos” que na verdade busca nos homens que já citei e também se torna triste e sozinha porque não consegue ver realidade.

No fim, feios e bonitos se sentem sós. No fim, o aplicativo então lhe oferece a opção de comprar algum pacote de ser mais visível, você começa a comprar, começa a se destacar, e mesmo assim se sente só.

Então “casais de sucesso”, que gastaram rios de dinheiro, se casam, pessoas que fingem ser quem não são namoram, o aplicativo, por meio de inteligência artificial, interpreta como é o comportamento de cada um e dá ideias mais rentáveis para grandes empresas que investirão em “cursos de relacionamento conjugal, de conquista, investirão em certos tipos de filmes, séries etc.”

E você se torna mais e mais vazio. Com o tempo percebe que a pessoa não era aquilo, que a mulher era diferente e que está faltando algo.


Ao sozinhos e acompanhados, vocês fazem parte de um experimento social para vender e explorar.

O vazio é justamente resultado de pessoas tomando decisões por você e não o contrário, em todo lugar você é bombardeado por tudo que lhe faz querer “o melhor”, e você nem sabe que na verdade escolheram para você o melhor.

Pare de se iludir e passe a pensar como você quer! Quanto mais você valorizar esse sistema binário de escolha, mais você se tornará apenas um número, uma estatística, que poderá ser jogada fora.

O mundo vai além das aparências, dos desejos que o fazem acordar no outro dia se perguntando: “Por que estou fazendo isso? Por que ainda me sinto só?”


Meu amigo(a), saia de sua bolha, esqueça a verdade sem sentido desse mundo, pare de buscar na perfeição exagerada ou na beleza passageira a verdade que tanto você quer.

Somos seres humanos e divinos, acima de tudo! Todos temos grandes habilidades e ninguém é melhor do que qualquer outro, então, ao invés de escolher alguém que lhe disseram, sinta em seu coração a conexão humana de ver o outro como alguém igual a você, que chora e que tem alegria, que tem qualidade e felicidade.

Comece a pensar como humano, não como animal selecionado para experimentos, quebre essa lei social que não o faz feliz.

Isso não se estende a um aplicativo mais na vida, pare de se segregar em ambientes “a” ou “b”, pare de ter certos tipos de pessoas apenas por aparência ou por benefício, ande com pessoas que possam lhe acrescentar humanidade e verdade, sinceridade e estimular você ao crescimento, e não a continuar consumindo e sendo instrumento de uma sociedade que se importa apenas com seu consumo.


Paremos de agir como crianças e vamos começar a ver a realidade de cada um como única, respeitar e garantir necessariamente. Que possamos evoluir, sem todo esse lixo que nos reduz a pessoas frias e sem sentimentos, que não dão bom dia, ou que não fazem escolhas racionais para o bem, e sim por interesse próprio.

O mundo separou a todos para que fosse fácil manipular criando “classes”, mas a verdadeira consciência que habita em cada um está unida e tentando nos mostrar que devemos nos unir por personalidade e empatia, mais uma vez, pois o resultado de uma ruptura da união humana gera o que já sabemos muito bem: a insensibilidade gerando depressão, síndrome do pânico e psicoses das mais variadas.

A humanidade está doente e se sentindo só, porque escolheu se comunicar e sentir sentimentos por uma máquina fria que deveria servir somente como veículo de informação. O resultado é a decadência de todos nossos valores transformados em produtos para consumo.

Não perca tempo, e procure agir com mais do que escolhas de ” sim” ou “não” no Tinder, precisamos tomar consciência de que beleza ou bens no fundo são ilusões e o que vale necessariamente é a nossa evolução conjunta.


Encontre alguém humano suficiente para lhe fazer humano(a) o suficiente e assim permaneça. Muitos já estão fazendo isso, sejamos parte da mudança e não da nossa destruição. Você é muito mais do que a simples ilusão dessa realidade.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / milanmarkovic

 


12 comportamentos que sabotam suas conquistas

Artigo Anterior

Seja extraordinário!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.