Notícias

Tio de garota indígena estuprada e assassinada aparece morto na prisão

Um dos integrantes do estupro coletivo e assassinato de uma garota indígena, o tio, foi encontrado morto, na madrugada desta sexta-feira (13/8), na prisão onde estava, Penitenciária Estadual de Dourados (PED), em Dourados (MS).



De acordo com o delegado encarregado da investigação, Erasmo Cubas, o assassino, de 34 anos, foi achado sem vida na cela. A polícia trabalha com a hipótese de suicídio, mas os peritos ainda investigam o que causou a morte.

Entenda o caso

Duas pessoas tiveram prisão preventiva decretada por homicídio qualificado, feminicídio e estupro de vulnerável pelo assassinato e estupro de uma garota indígena Guarani Kaiowá, de 11 anos. Entre os acusados, está um tio da criança. Três adolescentes também devem ser apreendidos pelo ato.


A decretação da prisão preventiva foi concedida pelo juiz Eguiliell Ricardo da Silva, da 3ª Vara Criminal de Dourados. Os dois homens maiores de idade foram enviados para o presídio de Dourados e os adolescentes, para a Unidade Educação de Internação (Unei), também em Dourados.

Segundo a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, os suspeitos combinaram de levar a garota para o local e abusarem dela. Os dois adolescentes arrastaram a vítima de sua residência, onde ela teria ingerido bebida alcoólica com eles, e a levaram para próximo do penhasco.

No local, eles a obrigaram a ingerir cachaça pura e passaram a abusar sexualmente dela, por diversas vezes. Segundo os suspeitos, a todo momento a vítima gritava e pedia socorro. Ela acabou desmaiando.

“Durante a barbárie, o tio da vítima chegou ao local e também participou do crime”, narra a polícia sul-mato-grossense.


“Quando a vítima começou a recobrar a consciência, voltou a pedir socorro e disse que ia denunciar os autores. Por isso, eles decidiram jogá-la do penhasco para não serem descobertos”, prossegue.

A criança foi encontrada sem vida em uma região localizada na aldeia Bororó, em Dourados, Mato Grosso do Sul. Todos os acusados responderão por estupro de vulnerável, homicídio qualificado e feminicídio.

Mulher se casa com condenado por matar seu irmão: ‘Tínhamos algo em comum’

Artigo Anterior

Em meio a polêmica familiar, Cid Moreira fala sobre “falta de caráter”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.