4min. de leitura

Todo começo tem um fim e todo fim é o início de um recomeço

Não necessitamos criar formas de união entre pessoas que estão distantes entre si, mas formas que não afastem pessoas que convivem uma ao lado da outra e não notam a própria e alheia existências.


No passado, alguns casais apaixonados, mas separados pela distância física, somente poderiam se corresponder, através de manuscritos ou telefonemas, dependendo da época passada vivida ou das circunstâncias vivenciadas. Embora tal distância pudesse representar uma dificuldade, alguns casais não se abatiam, pelo contrário, fortaleciam-se.

Quando do reencontro desse casal apaixonado, com a consequente possibilidade do toque físico, ambos entravam em profundo êxtase, energia tal que fomentava, ainda mais, o sentimento cultivado entre eles, que há tanto tempo não se viam e tanto almejavam o esperado reencontro.

Esta foi uma época que passou; representou um começo que teve um fim, com o avanço tecnológico.

De outro lado, o avanço tecnológico e as redes sociais que se tornaram febre mundial, possibilitaram o início de uma nova era, assim, o começo que teve um fim no passado, tornou-se um fim que representou o início de um recomeço. Dessa maneira, esse recomeço entrou pela porta principal de mãos dadas com a comunicação à distância, mesmo diante da proximidade física. Essa mesma fase, potencializou o uso do ser humano de forma descartável.


Assim, entre começos dissipados pelos fins e fins ansiosos pela chegada dos recomeços, ao invés da humanidade verdadeiramente avançar, infelizmente, foi possibilitado que parte do avanço tecnológico, fosse usado para regressão e não evolução. Ao invés do humano se aperfeiçoar com comportamentos menos robotizados, mas sim mais humanos, tornou-se escravo da própria criação. A sensação de evolução que vivemos hoje é “cegante”, ao ponto de acharmos que seguimos para frente e não para trás.

O retrovisor aponta que estamos percorrendo a linha do tempo na marcha ré.

Assim, alcançando o comportamento dos nossos saudosos ancestrais que caminhavam de forma curvada, assim como, normalmente, notamos que a humanidade de uma maneira geral, anda da mesma forma, olhando de forma hipnótica e curvada, para um aparelho de comunicação, que ela mesma criou.


Vivemos uma involução, portanto necessitamos tentar salvar o nosso passado recente, quando ainda éramos humanos e menos submissos às próprias criações tecnológicas; quando ainda havia mais amor e menos motivos mesquinhos para uma separação.

Não necessitamos criar formas de união entre pessoas que estão distantes entre si, mas formas que não afastem pessoas que convivem uma ao lado da outra e não notam a própria e alheia existências.

O tempo urge que começos tenham fins, mas que esses fins possam ser contagiantes, humanos, amorosos, de forma que possam se eternizar em nossas almas e nos levar a novos recomeços em grau de verdadeira evolução, jamais de regressão!

Todo começo tem um fim e todo fim é o início de um recomeço! 

Momento extraído do Livro “Enigma – Todo Começo Tem Um Fim” de minha autoria – Ed. Letras do Pensamento.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.