Todos os nossos problemas tem uma causa emocional. Tudo vem de nós e não dos outros.

A Dor Intoxicante…



Uma espécie de epidemia que se propagou na nossa cultura é a poetização da dor, do sofrimento, do vitimismo. Está por todo o lado: nos telejornais que dão várias vezes por dia, nos anúncios que usufruem de sentimentalismo barato para vender bens de consumo, nas músicas, nos filmes, nos livros.

Parece tratar-se de uma lavagem cerebral para a tristeza.

Porque é que o pensamento positivo não vende? Porque a cultura do medo está bem enraizada no sistema. A energia positiva tem o triplo da força da energia negativa, e um estado de espírito otimista é o que nos faz sentir satisfeitos mesmo tendo poucas posses materiais – porque não é isso que importa.


Um espírito feliz é um que nos faz dizer “deixa lá” para os problemas, em vez de tentar resolvê-los e controlá-los.

Todos os meios de comunicação que nos tentam captar a atenção com histórias tristes têm uma coisa em comum: o que quer que esteja a correr mal é errado e tem de ser resolvido urgentemente. A nossa pena é necessária, a nossa atenção deve ser total ao que está a acontecer de errado para que possamos ajudar – supostamente.

Mas de que serve acharmos constantemente que precisamos deste ou daquele produto para resolver determinado problema, se a causa de todos os problemas é meramente emocional, e não pode ser preenchida com qualquer coisa externa?

Não estou a dizer que não devemos saber dos crimes que acontecem no Mundo, das vítimas de assaltos, assassinados, violações. Esses problemas existem e sabermos como acontecem informa-nos de como agir para ajudar.


O problema é a overdose de informações sobre problemas, escândalos e tragédias. Até parece que apenas acontecem situações negativas no Mundo, e que só há a pessoas más e as vítimas! E então as pessoas que começaram do zero e conseguiram encontrar uma ideia revolucionária para melhorar a qualidade de vida de uma comunidade inteira? E os milagres que aconteceram em determinada situação mesmo quando tudo parecia que ia acabar em tragédia?

Quem comanda os media comanda a mente, e sermos constantemente bombardeados com informações e pontos de vista negativos condiciona-nos os pensamentos, tornando-nos maioritariamente pessimistas, insatisfeitos e amargos.

Aqui em Portugal, ouvimos as pessoas e tudo o que falam é do que corre mal: porque o governo só rouba, o clube de futebol perdeu, não há dinheiro, etc.

Estes temas mesquinhos e pessimistas distraem-nos do que realmente importa, e impedem-nos de ver a beleza da vida, dos momentos simples. As pessoas pessimistas estão demasiado revoltadas com os males do Mundo para apreciar um pôr do sol, ou um cão a brincar, ou uma comida deliciosa. Pensam algo do género: “mas de que serve perder tempo com essas coisas se há tanta coisa a correr mal?”

Ou as mulheres por exemplo, tanto se vitimizam porque aquele relacionamento correu mal, que não conseguem nem pensar na possibilidade de existirem vários homens maravilhosos disponíveis, e nem lhes dão uma chance, porque estão demasiado ocupadas a perpetuar a sua tristeza.

A questão é que, não há nada a fazer quando algo corre mal. Pensar sobre o problema apenas vai perpetuá-lo. Se nos sintonizarmos demasiado na frequência da dor, do sofrimento, do vitimismo, da raiva, da revolta… Vai-se tornar uma coisa normal. Ficaremos quase anestesiados da alegria, das emoções mais positivas, porque não parecem ser algo realista e estão demasiado longe de onde nos encontramos emocionalmente.

Mas todos os problemas têm uma causa emocional, tudo vem de nós, e não dos outros.

Por vezes a dor parece ser intoxicante, viciante. É interessante divagar sobre um tema que nos preocupa, porque muitas vezes chegamos a uma conclusão racional sobre ele e pensamos ter encontrado a resposta para resolvê-lo. Mas todos os problemas têm uma causa emocional, tudo vem de nós, e não dos outros.

A televisão e os outros meios de comunicação fizeram-nos pensar que a vibração negativa é a que domina o nosso Mundo, e para sermos cidadãos e pessoas corretas devemos constantemente estar alerta do que pode acontecer de mal e, quando acontecer, não descansar até consertar.

Mas não há nada a consertar. Tudo o que acontece de negativo dá-nos clareza sobre o que queremos em vez daquilo, e dá-nos um abanão para a nossa capacidade de melhorar as coisas. Mas apenas nos sintonizamos na solução através de emoções mais elevadas, uma mente mais aberta, uma perspectiva mais alargada.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.