Touradas são suspensas devido ao coronavírus e 120 touros são salvos da morte!

5min. de leitura

Nas touradas, os animais são espetados com lanças extremamente afiadas, enquanto são “driblados” pelo toureiro até a morte. 



Em cada país, há um esporte mais popular. No Brasil, por exemplo, o futebol é paixão nacional. Toda criança já cresce praticando-o na escola, na vizinhança ou aos finais de semana, com a família e amigos.

Nos Estados Unidos, o futebol americano também é marca registrada, só que lá os atletas praticam a modalidade usando as mãos e roupa especial, com colete, e até capacete, diferentemente da realidade brasileira. A Holanda é referência em patinação no gelo.

Mas, independentemente do esporte que define uma nação, cada uma sempre respeita a outra e até admite a sua vantagem em relação às demais.


Há um consenso de respeito e senso esportivo. Na maioria deles, nenhuma disputa gerou tanta controvérsia e polêmica quanto as touradas.

A tradição, que se popularizou desde o final do século 18, na Espanha, foi originada das caçadas a bois. Nas disputas sangrentas, um toureiro enfrenta, na maioria das vezes até a morte, um touro selvagem dentro de uma arena lotada de espectadores.

Enquanto faz movimentos com uma capa vermelha, incitando a ira do animal, o toureiro vai cravando estacas coloridas, extremamente afiadas e pontiagudas, no dorso do animal. Todo o espetáculo é assistido por uma multidão entusiasmada, que vibra ao ver os touros agonizando.

Na parte final da tourada, o toureiro usa a capa para driblar o animal, já enfraquecido, bem rente ao corpo.


Quando o animal já está perdendo as forças, por cansaço e dor, o profissional, com o último golpe de lança, fere o touro logo acima do pescoço.

O resultado é uma morte instantânea. Por mais sangrenta que seja, tanto para o animal quanto para os próprios toureiros, pois muitos também já perderam a vida por levar chifradas, a disputa tem fãs por todo o território espanhol ao mesmo tempo em que desperta a ira de instituições que defendem os animais.

Mas se anos de militância não foram suficientes para acabar com essa prática, a pandemia do coronavírus está causando a sua suspensão.

Nas cidades de Madri, Valencia, Castellón, Murcia e Arnedo, por exemplo, foram canceladas todas as touradas programadas para março, abril e maio. Até então, 120 touros já foram salvos.

Cerca de 200 touradas foram afetadas e a Anima Naturalis, organização de proteção animal, continua insistindo na suspensão imediata desses shows no resto da Espanha e para que o setor não receba auxílio financeiro para compensar tais cancelamentos.

Por outro lado, os empresários e toureiros que vivem das disputas começam a colher os prejuízos das suspensões provocadas pela doença. A Fundação Toro de Lidia, uma das principais empresas responsáveis pela prática no país, já solicitou ao ministro da Cultura uma reunião para avaliar a possibilidade de se lançarem medidas de apoio ao setor.

Mas os defensores de animais prometem não medir esforços para conter os maus-tratos aos animais e o fim definitivo da prática. Um pedido que também foi dirigido ao ministro da Cultura espanhola, José Manuel Rodríguez Uribe, é que o governo não banque mais esses eventos. Até uma petição online foi criada, pedindo que o governo não apoie o setor. Confira através deste link!

Quem imaginaria que uma doença tão devastadora quanto o coronavírus fosse aliada para o fim dessa prática tão polêmica e triste!

Qual a sua opinião sobre as touradas?

Conte-a nos comentários e compartilhe este artigo em suas redes sociais. Sua participação é sempre muito importante para nós!

 

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos. Direitos autorais da imagem de capa: reprodução.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.