Travessia…

Não precisa ser visionário para saber que a única certeza que temos é que iremos morrer. Apesar de ser um assunto que a maioria das pessoas considera mórbido, acho necessário abordá-lo visto que só poderemos fazê-lo estando vivos.



A finitude traz consigo algo que não temos capacidade de controlar, mas acredito que isso seja um processo evolutivo. Por enquanto não conseguimos “driblar” o pós vida porque estamos num processo de maturação.

Saber como esperar e entender essa travessia é uma arte. Várias religiões assim como o espiritismo tratam o pós vida como uma passagem para outra realidade, a da alma. Nesse novo mundo não carregamos o corpo físico somente o etéreo.

Consciência, ações, sentimentos, emoções são nossa bagagem para essa realidade espiritual. O que se vive é o que se leva.


CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v62), quality = 91

Depois de assistir ao filme Guzaarish do diretor indiano Sanjay Leela Bhansali, conheci um paradoxo que nunca havia passado por minha cabeça.

Eutanásia X Suicídio, o enredo discorre sobre um mágico que depois de sofrer um acidente, fica tetraplégico. Passados 14 anos sem nenhuma evolução no quadro, Ethan Mascarenhas (personagem de Hrithik Roshan) resolve que quer morrer. Pede então sua advogada para abrir um processo solicitando as leis indianas que o deixem morrer.


Eutanásia X Suicídio, o que um difere do outro? Sendo que nesse caso específico a pessoa em sã consciência desiste de viver. Não é minha intenção estender sobre esse dilema, mas de discutir com você leitor o porquê que a morte é tão temida no mundo atual.

Na antiguidade, o pergaminho de Any, retratado no livro egípcio dos mortos, descreve a travessia pelo mundo dos mortos. A grande preocupação da travessia era o de perder os sentidos que a pessoa tinha quando vivo, pois permanecendo com eles serviriam como um guia no mundo além.

Muitos devem estar achando esse artigo desnecessário, de mau gosto, mas a proposta de escrevê-lo é justamente de lhe fazer refletir.

Será que para darmos valor a vida não é necessário compreender a morte?

Se soubesse a data de sua morte, será que não influenciaria no seu modo de viver?

A tendência dos doentes terminais é de aproveitar a vida ao máximo, fazendo tudo o que não fizeram antes de terem seus dias contados.

Ora, todos nós temos os dias contados, só não sabemos quando irá acontecer, então porque não agir de maneira que soubéssemos.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.