Três contos de Reis – Quem conta um conto aumenta um ponto e não fica tonto

Ler também é um exercício físico dos mais extenuantes. Muitas pessoas não conseguem ler continuamente, ou de forma mais apurada. Este é um pequeno trecho do meu texto anterior, que ressalta a dificuldade das pessoas em estabelecer a prática da leitura em suas vidas.

Acredito fielmente que este é um esforço válido, pois vejo a literatura como uma das ferramentas mais eficazes para o desenvolvimento da sensibilidade humana, entre outras virtudes. Assim, o meu principal esforço será neste sentido: ajudá-lo de alguma maneira, para que você consiga desenvolver este hábito.

Aventure-se pelos gêneros literários, leia sem receios, há livros fantásticos, que podem nos influenciar de uma maneira indescritível, poemas, crônicas, ensaios. Textos que têm este poder especial de nos surpreender de um modo tão positivo.

Particularmente tenho uma “queda” pelos contos. Eu realmente gosto desta palavra, deste nome, do sentido que ele possui e da sua configuração, geralmente, uma narrativa curta e ficcional. Mas, é claro, há sempre um autor pronto para subverter a ordem das coisas.

Vejo o conto como o gênero literário que mais aproxima o leitor do texto, pois a maneira como a história é contada nos prende de tal forma que ficamos envolvidos com a situação e conectados aos personagens e até ficamos tristes quando o conto acaba, entretanto, quem lê um bom conto, não se esquecerá dele.

Sob as marcas que os contos que já li imprimiram em mim, aproveito esta oportunidade para indicar-lhes três contos maravilhosos! E, confesso, são os meus favoritos. Espero de verdade que leiam e que gostem!

Bola de Sebo – Guy de Maupassant

Devido às injúrias de uma guerra, alguns moradores de uma pequena cidade da França, decidem fugir para se salvarem. A narrativa é situada no século XIX e a fuga ocorre em uma diligência, que coloca frente a frente cidadãos de classes sociais distintas, situação que provocará certo desconforto entre os passageiros e, ao longo do percurso, resultará em atitudes que colocarão em xeque os valores morais e a conduta ética de cada personagem. O risco desse convívio é ter seu caráter posto à prova, desvelando a verdadeira face de cada um. O trote dos cavalos marca o compasso para um desfecho onde veremos quem se deixará levar pelo egoísmo e pelo preconceito, e quem se mostrará íntegro e correto. Você se surpreenderá ao final da história. Decididamente, um conto imperdível!


O Amor de Jesus no Coração – Rubem Fonseca

Em um cenário misterioso e sombrio, dois investigadores buscam solucionar um caso de assassinato. Um deles se mostra imparcial e pretende investigar o caso através da única maneira possível e correta, ou seja, pelas evidências, não se deixando levar por preconceitos e opiniões subjetivas. Esta situação gera um conflito com o outro investigador – fanático religioso, tendencioso durante toda a investigação, busca sempre relacionar as pistas encontradas às suas crenças. Quando finalmente conseguem resolver o caso, infelizmente já será tarde demais.


A Metamorfose – Franz Kafka

Considerado por alguns pesquisadores como uma novela e não um conto A metamorfose – independentemente do gênero literário em que se enquadra – nos coloca diante de uma situação delicada, na qual nos leva a refletir e analisar os nossos mais fortes sentimentos. Um acontecimento totalmente inesperado gera um quadro um tanto quanto conturbado, que acaba por conduzir os integrantes de uma família a mudarem suas atitudes e seu estilo de vida.




Deixe seu comentário