Último natal…

Nossa ceia estava maravilhosa, como nos anos anteriores. Havia bastante comida, bebida, nozes, castanhas, rabanada, etc., e flores vermelhas para enfeitar a mesa. Ali na garagem de casa (amplo local onde fazíamos as confraternizações), estava eu e minha mãe apenas, verificando se faltava mais alguma coisa e observando como estava bonita aquela (provável) última ceia de Natal que ela participaria conosco.



Naquele precioso momento, abracei-a e disse olhando em seus olhos:

– É muito bom ter você aqui nesse Natal.

– Eu também estarei no próximo… – Sua voz afirmou sorrindo o que seus olhos cheios de lágrimas desmentiram. Nós duas sabíamos que aquele seria o último, mas doía demais ter que admitir. E naquele instante preferimos acreditar que continuaríamos juntas para sempre.

Prosseguimos com a noite num clima de completa harmonia, apesar do peso da doença, e dela já ter sido desenganada pelos médicos. Mesmo não se prendendo a rituais, meu pai sempre preparava ótimas ceias, e fazia questão de comprar o maior peru do mercado, pois ficava todo orgulhoso quando comentavam sobre o “tamanho” do seu peru.


Naquela noite nos esquecemos da doença. Nos divertimos, dançamos, cantamos e nos preenchemos das presenças uns dos outros em meio a declarações de amor e muitos gestos de afeto.

O Natal seguinte foi o pior de todos, pois havíamos perdido nossa base, aquela que fazia com que a família estivesse inteira, além de completa. Era como andar sem as duas pernas. E assim foram os próximos Natais. Dizem que o tempo ameniza, mas para mim o tempo apenas fez com que piorasse essa data tão querida por muitos. Sentia-me sem rumo, sem suporte. E o vazio era tão forte que meu maior desejo era que essa data passasse rápido, apesar de ver nela a oportunidade de rever parentes distantes.

Hoje penso que, apesar da saudade, essa data pode ser diferente para todos nós que “perdemos” entes queridos. Devemos analisar e guardar a intenção positiva de todas as situações. É difícil, mas é muito importante ressignificar (buscar uma nova visão) de momentos como este. Fui muito privilegiada de tê-la comigo naquele dia especial, assim como em todos os momentos da minha vida em que ela esteve presente! Infelizmente, nem todos têm o privilégio de ter tido, ou ainda ter, um anjo para chamar de mãe.

Embora os anjos sempre aparecem nas nossas vidas, seja em forma de familiares ou amigos, basta que estejamos com o coração aberto para identificá-los.

“Água velha não move moinho, mas a que está vindo pode mover”. É para o presente e para frente que se olha. O resto deve ficar apenas registrado como boas e vivas memórias. Quem sabe um dia, ainda terei alguém (seja de sangue ou de coração), para que eu possa dizer, sem lágrimas nos olhos: “Eu também estarei no próximo”. E nessa união familiar redescobrir o sentido natalino.


______________

Direitos autorais da imagem de capa: ammentorp / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.