ColunistasRelacionamentos

Um abraço pode curar muitas dores…

“O melhor lugar do mundo é dentro de um abraço.”



Muito além de letra de música, essa frase é uma bruta de uma verdade.

Li uma matéria esses dias em um site sobre saúde que explicava que o abraço é capaz de liberar ocitocina (o hormônio da felicidade), além de contribuir para redução do estresse, controle da pressão arterial, regular batimentos cardíacos e fortalecer relações.

Se a ciência está falando e a realidade comprovando, quem somos nós para questionar?


Sejamos francos vai, nada melhor que um abraço apertado, bem forte, com as mãos correndo pelas costas, olhos fechados e corações abertos.

Bendito seja o cidadão que teve a brilhante ideia de abrigar em seu peito e em seus braços o corpo e a alma do outro. Aquele carinho gostoso, diferente, capaz de dizer o que as palavras não dizem, capaz de recarregar as energias do outro, capaz de calar o choro de quem já não suporta mais.

E cada vez que a gente abraça deixa um pedacinho do nosso sentimento guardado no abraço do outro, e traz para o nosso abraço um pouquinho do que a outra pessoa quer transmitir. Acho que por isso a gente sente a necessidade de abraçar algumas pessoas; não é só questão de sentir o corpo quente contra o nosso, é questão de dividir a felicidade em ver, de repartir a emoção que transborda, de participar do sofrimento, de transmitir paz, serenidade, amor.


Eu mesma tive uma experiência assim; fiquei mal e veio alguém que me abraçou para cuidar de mim. E graças a Deus que veio!

Engraçado como em meio ao caos do momento encontrei minha paz e me senti segura. De repente todo aquele medo misturado à ansiedade deu espaço ao som do meu choro, depois ao silêncio que me cercava e por último à felicidade momentânea de não estar sozinha ali.

Já dizia Jota Quest “tudo que a gente sofre num abraço se resolve”. Quanta verdade numa só frase! Abraço não é vendido em farmácia, mas é sempre o melhor remédio. Seja para dor, para saudade, para falta de palavras, para o medo do mundo. Ali, naquele lugar quente, com a cabeça recostada no peito ou no ombro da outra pessoa, a gente é simplesmente a gente, nada além disso.


Ali você é só uma pessoa vulnerável que precisa de cuidados, que anseia por carinhos, que busca acolhimento. E isso é tão bonito! Ali você não é rico, famoso, inteligente, não é nada além de uma pessoa abraçada, e isso meu caro leitor é sem dúvida alguma a melhor coisa que alguém pode querer. Ser simplesmente você mesmo, sem culpas, sem medos, sem pesos; ali você é simplesmente amor.

Por isso abrace, e permita-se ser abraçado também. Distribua toda essa alegria que há dentro de você; oferte todo esse afeto e cuidado a quem pede por socorro sem dizer nada. Entregue seu melhor carinho a quem não tem nem ao menos um sorriso, quem dirá um abrigo dentro do outro. E também recolha; guarde dentro de si a boa energia que vem de quem te abraça sorrindo como se fosse à última vez; eternize em sua memória o cheiro de quem passou pelos seus braços; se demore onde houver reciprocidade de tempo e de aperto.

Permita-se ser feliz sem precisar comprar nada para que isso aconteça.


Abrace seus amigos, diga que sentiu saudades no final de semana. Abrace seus pais, diga o quanto os ama.

Abrace seu amor, demonstre o quanto gosta do contato de seus corpos. Abrace quem acabou de chegar em sua vida, transmita a confiança necessária para uma boa amizade. Abrace! Simplesmente abrace. A gente recebe de volta o que lança ao universo, então estoque amor para que ele lhe retribua com toneladas de companhia.

Fique em paz, enquanto você estiver abraçando estará protegido no melhor lugar do mundo.


_________

Direitos autorais da imagem de capa: goodluz / 123RF Imagens


O mal do século não é a depressão, mas a falta de empatia.

Artigo Anterior

Quando você percebe que é hora de parar de perder seu tempo com relacionamentos sem futuro…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.