5min. de leitura

Um adulto feliz é uma criança curada!

Como vai a sua criança interior?

Sabe aquelas atitudes que você geralmente tem, mas que, em algum nível de consciência, sabe que são desnecessárias e que o (a) prejudicam? Mesmo assim, por mais que você esteja ciente do que está fazendo, e de que deveria mudar, você continua cometendo tais atitudes e reagindo da mesma forma.


Por vezes, pensamentos sombrios sobre si mesmo costumam perturbá-lo(a), e não é que você não tente eliminá-los: é só que, vez ou outra, eles resolvem aparecer e pairar na sua mente. Estranho, não é?

Vou lhe contar uma coisa que talvez você não saiba, mas esses padrões e repetições aparentemente incontroláveis, na maioria das vezes, não são causadas por você, na sua forma atual e adulta. Se não é você… então quem é?

Sua ou suas crianças interiores. Sim. Talvez você até já tenha ouvido falar sobre “criança interior” mas nunca soube realmente o que isso significava. Eis a chance de descobrir.

Por mais que você tenha tido uma família amorosa, pais maravilhosos e uma infância regada de amor e boas lembranças, o fato é que a criança não tem noção e percepção de algumas emoções, ou seja, ela apenas sente e quando chega uma situação que a leva ao ápice do sentir, uma parte dessa criança fica vibrando naquela emoção, como se estivesse no “repeat” e outra parte continua a crescer. É como se houvesse uma separação. Vou explicar melhor dando um exemplo logo mais.


Quando você era criança, seus pais sempre comparavam você com a sua irmã (o) ou com as filhas (os) do vizinho ou sempre cobravam que você tirasse a melhor nota, fosse a melhor aluna, e por aí vai… (não vamos entrar no mérito dos pais, sabemos que eles fazem aquilo que consideram o melhor para seus filhos, com a consciência que possuem, vamos focar apenas na emoção da criança).

A criança na sua forma de sentir e entender as coisas, começa a acreditar que nada que ela faz é bom o suficiente, que se ela não for sempre “a melhor” em tudo (isso é impossível) não será amada e admirada pelas pessoas com as quais ela mais se importa: os próprios pais.

Essa criança ferida fica pulsando, vibrando, revivendo esse sentimento de “nunca serei boa o suficiente”, parada num fragmento do tempo e espaço. Então ela cresce com uma insatisfação pessoal, uma cobrança ditadora em tudo que faz e inclusive leva isso para relacionamentos amorosos, atraindo relações que a façam relembrar a todo momento essa necessidade de provar seu valor. Essa história lhe parece familiar? Pois é. Sempre que você vive uma situação que “estarta” a emoção do que viveu na infância, quem toma a frente na atitude não é você adulto, consciente e sim a sua criança, que está repetidamente vivendo aquela situação.


E como podemos mudar isso?

Você pode, por exemplo, quando for deitar ou meditar, naquele momento que é só seu, falar ou mentalizar “Oi “fulana”, perdoe-me por eu não saber da sua existência durante todos esses anos, mas agora eu sei e estou aqui para lhe dar tudo que você precisa… amor, segurança, colo, aceitação etc…”. Abra-se para a conexão com a criança que você foi e verá que, aos poucos, surgirão lembranças da sua infância e de como você se sentiu. É aí que a autocura começa a acontecer.

Não tenha medo: entre em contato com a sua criança, pois há muito tempo ela espera ser vista, ouvida, honrada e acolhida. Um adulto feliz é uma criança curada.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: wavebreakmediamicro / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.