publicidade

Um casal se faz com duas pessoas inteiras

Sim, caro leitor. O amor exige duas pessoas inteiras. Embora soe lindamente romântica esta história da outra metade da laranja, o que a gente acaba encontrando quando tem esta crença é um monte de metades de limões bem azedos que nada tem a ver conosco. Embora seja poético acreditar na perfeita fusão entre duas pessoas, uma completando a outra como se fossem realmente uma mesma carne, um mesmo espírito, uma mesma essência gera muito sofrimento e desencontros desastrosos.



Se precisamos do outro para ser inteiro, dois problemas surgem: o primeiro deles é a constatação de que não somos inteiros. O segundo é pensar que o outro também não é completo. E se eu sou parte do outro e outro é parte minha, na verdade o outro não existe. Somos algo único, quebrado, fragmentado. Se o outro não existe, não pode haver alteridade também. Se eu sou o outro, ele precisará corresponder a todas as minhas expectativas e satisfazer todas as minhas necessidades.

Se o outro sou eu, ele precisará reagir da mesma maneira a todos os estímulos. Se o outro não existe porque ele é um prolongamento do meu eu, ele não terá individualidade e eu também não a terei porque sou uma extensão do seu ser. Não existindo limites onde termina um e começa o outro, o parceiro precisará sempre agir da forma que agiríamos e qualquer tecla destoante criará um ruído assombroso. No lugar de aprender e ensinar com o outro, os dois vão se repetir o tempo todo como num jogo de imitar o mestre.

Além do empobrecimento da relação, pois relação implica duas pessoas, pode ocorrer um drama ainda mais doloroso: uma das metades aprender a falar mais alto e submeter a outra a uma vida zumbística nas sombras. Quando este tipo de relação simbiótica começa a surgir, o nós substitui o eu e cada pessoa não assume mais seus gostos, opiniões e escolhas. Nós gostamos disso, nós acreditamos naquilo. Casais normalmente compartilham gostos, crenças e verdades. Mas quando um não existe sem o outro, quando um não destoa em nenhum momento, quando cada gesto coincide magicamente temos a sensação de que uma das partes foi eclipsada e tentamos descobrir quem é o objeto e quem é o reflexo do espelho.


Não é à toa que vemos tantas pessoas, principalmente mulheres, abrindo mão de carreiras para se integrar na rotina doméstica de forma mais satisfatória ou simplesmente deixando sonhos e projetos para trás para seguir o marido em suas jornadas. Não é à toa que muitos homens praticamente esquecem que tem uma família depois que se casam. Não é à toa que tanto homens como mulheres deixam hobbies e amigos que alegravam suas vidas antes do casamento. E de repente , aquela pessoa que nos encantou deixa de ser ela e passa a ser uma cópia mal feita de nós mesmos. Uma cópia inexpressiva e sem personalidade.

Em uma relação em que falta alteridade, normalmente sobram cobranças, sentimento de culpa e um distanciamento profundo de nós mesmos. O pior de mentirmos para nós é que com o tempo passamos realmente a acreditar em nossas invenções.

 


___

Escrito por Sílvia Marques – Via Obvious

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.