5min. de leitura

Um dia você vai acordar e verá que seus filhos cresceram… que seu mundo mudou.

Aqueles que tiveram o privilégio de se tornarem pai ou mãe, com certeza entenderão o que pretendo dizer através deste texto.


Talvez muitos não percebam que com o passar do tempo, os filhos crescem e se libertam. E essa liberdade abrange vários segmentos, tais como financeiro, emocional e inclusive para se tornarem pais também.

Em muitos casos, o instinto de proteção maternal/fraternal é tão explícita, que não atentamos para esse processo, o que faz, na maioria das vezes, com que haja um enorme prejuízo na vida pessoal ou profissional dos filhos. Em muitos casos, essa interferência é tão prejudicial ao seu desenvolvimento natural, que a dependência se torna uma fraqueza na vida individual de cada um.

Todos nós sabemos que não se pode abdicar da posição de mãe ou pai, porque esse posto é para sempre. É importante ressaltar que a presença, principalmente da mãe, é necessária em qualquer fase da vida, prova disso é que, nos momentos de dificuldades, primeiramente se lembra da mãe, afinal não existe outro ser terreno disposto a amar tanto quanto uma mãe ama um filho.

Há, entretanto limites a serem observados quando se trata de proteção. Chega um dia em que o filho quer criar asas e alçar voos por conta própria, uma vez que estão “criados” e precisam de liberdade para viver sua vida afetiva ou profissional – Certa vez, fui advertido por chamar de menino, meu filho de 27 anos, que estava na segunda faculdade


– Pois é, as coisas mudam muito. Com a independência, muitas vezes, os filhos querem nos expulsar de suas vidas, porque têm novas perspectivas e têm diante de si, novos horizontes, querem formar novas famílias, o que é salutar, pois faz parte da ordem natural da vida.

A verdade é que os pais temerosos ainda tentam segurá-los, salvo alguns casos, porque ao se “jogarem no mundo”, segundo esses pais protetores, os filhos não têm nenhuma segurança.

Mas de que segurança estariam falando? Ninguém começa a própria vida sem viver algo novo, sem arriscar, sem acertar e errar, sem se frustrar e tentar de novo até acertar, sem passar por dificuldades, e por fim aprender como é verdadeiramente a vida. Não pode haver amadurecimento sem passarem por certas experiências, concordam?

Enquanto os filhos observam alguns critérios e analisam possibilidades, eles crescem e evoluem, isso é visível para o mundo inteiro, exceto para os pais. As mães, por outro lado, não veem o tempo passar e continuam se desdobrando para cuidarem todos os dias de “marmanjos” que elas julgam nunca crescerem. Embora alguns ainda não decidiram se querem crescer.


Mas chega um dia, no qual cada filho tem que se tornar autônomo, dono do próprio nariz, mostrar-se uma pessoa melhor porque teve tempo com os pais para que tenha formado um bom vínculo com a família, caso contrário, não há como voltar atrás, o tempo passou e tudo se perdeu. E como dizem: “Um dia seus filhos vão dormir pequenos e acordarão grandes.”.

Para finalizar, o ideal é entender que, para os filhos, sentimentos como amor e proteção têm um significado diferente do que para os pais.

Com certeza as decepções e os medos serão como um convite a ponderar que o amor é sempre o melhor caminho. E quem ama, deixa livre.

_____________

Direitos autorais da imagem de capa: ximagination / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.