ColunistasReflexão

Um encontro comigo mesmo…

Um encontro comigo

Ultimamente, estou pensando muito sobre minha vida. As coisas que faço no dia a dia, as pessoas com as quais eu me relaciono, o emprego que possuo, o ambiente familiar ao qual pertenço, dentre outras coisas.



A cada dia que penso mais sobre essas coisas, menos animado eu fico, devido a tantos problemas que parecem sem solução. Falta-me coragem… sabedoria, talvez… sei lá.

Tenho a sensação de sempre estar flertando com a depressão! Aquele abismo que existe entre o simples e o complexo, entre a solução e o impasse.

Parece que tudo conspira contra, e que o grau de complexidade das situações, criadas por nós mesmos, fica cada vez maior e irremediável.


Na minha vida, está tudo bem, mas ao mesmo tempo não está. Você me entende? Como as pessoas que mais gostam de você e tudo aquilo que gostamos de fazer não são suficientes para suprir essa angústia que nos mata mais um pouquinho por dia?

Pois é, a nossa mente é um precipício de ideias que, a cada pensamento negativo, vai nos empurrando cada vez mais para baixo. Quando nos damos conta, mal nos reconhecemos frente a um espelho. O reflexo machuca, justamente porque nele conseguimos ver as feridas da nossa alma!

O que acontece quando não nos conhecemos mais? Nós nos perdemos, e perder-nos é o primeiro passo para nos encontrarmos novamente.

É a possibilidade de nos reconectar com a esperança, de dar um abraço em nós mesmos e sermos nossos próprios conselheiros.


É o poder de uma simples frase que precisa resistir e ecoar em nossas cabeças: “Oi, há quanto tempo… dê-me um abraço. As coisas ficarão bem, ainda há tempo.”

Peça desculpas a quem acha que deve. Tente consertar as coisas ao seu redor. Faça um pouquinho de cada vez. Mas lembre-se: nem tudo está sob o seu controle, e tudo bem!

Seja você, independente dos acontecimentos. A vida é uma só e, se deixarmos que outra pessoa, que não nós mesmo, viva o nosso tempo, dentro do nosso corpo, acabamos por perder nosso precioso tempo de contemplação em vida material.

A nossa geração é a maior impactada, em toda a história da humanidade, com as doenças mentais. Vamos nos ajudar e fazer com que este momento da história seja apenas um momento breve e passageiro.


Em todo caso, procurar a ajuda de um profissional da saúde mental é mais que importante, é essencial. Você não está só!


Direitos autorais da imagem de capa: pixabay / Anestiev-2736923


Solidão: estado de recolhimento da alma

Artigo Anterior

Não se esqueça: sempre haverá novos motivos para sorrir…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.