Notícias

Mãe de Rachel Genofre sobre condenação de acusado da morte da filha: “Um pouco de alento”

Sem Titulo 1 31

O homem foi condenado pela morte da menina de 9 anos, encontrada em mala na rodoferroviária de Curitiba em 2018.



Rachel Genofre, 9, desapareceu depois de sair da escola em que estudava, no centro de Curitiba, no fim da tarde de 3 de novembro de 2008.

De acordo com informações do G1, a menina foi encontrada dois dias depois, em uma mala na Rodoferroviária de Curitiba, com sinais de violência sexual e estrangulamento.

Depois de 11 anos, Carlos Eduardo foi identificado por um exame de DNA como o culpado pelo crime. A acusação defende que o homem, que já vinha cometendo crimes de 1985 e já estava preso antes da condenação, abordou Rachel fingindo ser produtor de programa infantil de televisão. Assim, ele conseguiu levá-la até o endereço em que estava hospedado.


rodoviaria

Direitos autorais: reprodução/RPC.

carlos eduardo santos rachel genofre

Direitos autorais: reprodução/RPC.

Em depoimento à polícia, Carlos disse que a menina queria avisar aos pais, mas ele a convenceu a fazer isso depois. No julgamento, ele confirmou ter abusado da menor, mas disse que não a matou.

No último dia 12 de maio, o homem foi condenado a 50 anos de prisão pelo Tribunal do Júri de Curitiba por homicídio triplamente qualificado mediante meio cruel, asfixia e ocultação do corpo e por atentado violento ao pudor.


O réu foi ouvido por teleconferência e condenado por 4 votos a 1. Maria Cristina Lobo, mãe de Rachel, se manifestou sobre a decisão judicial. Ela disse que, infelizmente, não pode trazer a filha de volta, mas que sente “um pouco de alento” ao saber que Carlos pagará pelo crime que cometeu.

O advogado de defesa de Carlos Eduardo, Roberto Rodrigues, afirmou que analisará a que vai analisar a sentença condenatória “para manejar eventual recurso de apelação, sobretudo em relação à alta pena aplicada”.

rachel

Direitos autorais: reprodução/RPCTV.

Já Daniel da Costa Gaspar, advogado da família de Rachel, se posicionou positivamente, dizendo que o dia 12 ficará marcado na memória de todos os que batalharam para que a justiça fosse feita no caso da menina.


Ele ainda acrescentou que “abusadores e criminosos sexuais não passarão impunes”, manifestando o desejo de que nenhuma criança se sinta insegura, pedindo para que o “Estado cumpra seu papel de proteger seus cidadãos e evitar que crimes bárbaros como este ocorram novamente”, expressando o desejo de que a sociedade se lembre do caso de Rachel, para que outras vidas possam ser salvas.

Gael, morto aos 3 anos, foi enterrado na Paraíba. Momento gerou muita comoção

Artigo Anterior

Mãe diz à polícia que ateou fogo e matou bebê recém-nascido por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.