ColunistasLei da Atração

Universo, dá-me um sinal!

UNIVERSO DÁ ME UM SINAL capa e dentro

As fases menos boas obrigam a grande clareza. Há um conflito entre tentar encontrar essa clareza nas condições externas ou deixá-la fluir, para que se instale dentro de nós. Essas fases estagnam, revoltam, desmotivam. Até para quem sabe e já passou por elas, são fases que causam grande desconforto.



Especialmente para os sensíveis, quando estamos habituados a estar no espectro positivo, sentir-nos em baixo é extremamente desgastante. Dói sentirmo-nos menos do que aquilo que somos, falarmos em piloto automático, pensamentos que foram plantados em nós que apenas nos diminuem e nos afastam do verdadeiro potencial e propósito.

Mas são essas alturas que nos dão força: a intenção renovada de melhorarmos a nós mesmos, a redescoberta de que ninguém mais é responsável pelos acontecimentos da nossa experiência, o impulso para reconectar com a Luz – com o divino de que fazemos parte, o divino que somos.

Há uma grande luta interna entre o que é o mais justo e o que sabe melhor. Esta luta pode equiparar-se à do Ego VS Espírito. Quando tomamos uma decisão, por mais pequena que seja, temos sempre as duas opções:


– o que parece bem, que pensamos ser o que mais nos identifica com os nossos semelhantes e com aqueles que são um exemplo para nós
– o que nos faz sentir bem, que é resultado de um desapego quase total das noções que nos foram ensinadas, para confiarmos numa sabedoria que transcende tudo o que é físico.

Estas duas vertentes não se refletem em decisões diferentes, mas na atitude ou mindset com que as tomamos. Podemos escolher seguir mais um ou o outro, mas o segundo sempre transcenderá o primeiro. Escolhermos o caminho por causa da nossa intuição vai contra toda a racionalidade a que fomos ensinados.

Uma vida prática é uma vida com o menor número de desafios possível. A vida estandardizada é uma que cultiva a apatia, a ignorância e a desistência da busca pelo Eu Interior. O processo de Iluminação é extremamente desconfortável, porque estamos a descartar todos os nossos sentidos físicos para entregarmos tudo ao nosso coração, ou melhor, à nossa Fonte.


Pode parecer que não, mas o “caminho certo” a que fomos ensinados não é o mais fácil. Não só porque somos obrigados a estar com pessoas que não gostamos e fazer o que não gostamos, mas porque não foi o que nós escolhemos. A vibração predominante em tudo o que nos rodeia é a de negatividade, como se a vida fosse um calvário constante e estivéssemos condenados a sofrer.

Ver a luz nesse sofrimento não é ilusão, é o primeiro passo para a Iluminação.

Um ser consciente da sua espiritualidade não consegue mais limitar-se com a pura observação das coisas, mas pela busca e reconquista do seu propósito de Felicidade. E se esta é vista como algo quase impossível, ilusório, infantil, então temos que correr o risco de sermos vistos como tal, para “pagarmos o preço” de nos sentirmos, verdadeiramente, nós mesmos.


Para isso, temos que confiar no que transcende todas as opiniões e dogmas.

Eu, por meu lado, confio no Universo. Mas às vezes as vozes de fora parecem ensurdecedoras – até que percebo que não passam de vozes na minha cabeça. Aquilo que escolho dizer-me, ou aquilo que me permito apaticamente absorver por observar, é aquilo que retorna a mim. Mas posso fazer diferente: posso seguir o que realmente prefiro, fazer o que amo, e conectar-me deliberadamente ao meu lado espiritual, ignorando o que não quero que faça parte do meu caminho: especialmente pensamentos.

Por vezes parece mais difícil que o costume. Por isso, mais do que pensar e dizer que me vou focar no que quero e em ser feliz, peço ao Universo: dá-me um sinal. Onde devo ir a seguir?

Cláudia Rocha


Muito além do “feliz natal”: é justo desejarmos aos outros aquilo que não temos em nós?

Artigo Anterior

Oração celta que traz proteção para quem você ama…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.