publicidade

Vacina criada em Harvard tem sucesso em testes e pode curar câncer de mama agressivo!

Medicamento do tamanho de uma aspirina estimula o sistema imunológico a combater as células que causam o câncer de mama triplo-negativo.



Como sempre, os cientistas nos surpreendem com excelentes notícias, e a mais recente nos dá esperanças de cura para uma das doenças mais graves e que mais atingem mulheres no mundo: o câncer de mama!

Chamada de vacina “implantável”, o novo medicamento em fase de testes, do tamanho de uma aspirina, é colocado próximo ao tumor para evitar que a quimioterapia se espalhe pelo corpo todo.

Quando camundongos com câncer de mama triplo-negativo agressivo, que representa 15% dos casos, receberam a vacina, 100% deles sobreviveram. O medicamento foi criado pelos pesquisadores do Instituto Wyss, da Universidade de Harvard (EUA), em parceria com o Instituto do Câncer Dana-Farber e publicado na revista científica Nature Communications.


De acordo com o coprimeiro autor da pesquisa, Hua Wang, o sistema desenvolvido pelos cientistas, a imunoterapia (ajuda o sistema imunológico do paciente a identificar e combater o câncer) atrai várias células imunológicas para o tumor, enquanto a quimioterapia (utiliza medicamentos para destruir as células doentes) produz um grande número de fragmentos de células cancerosas mortas que as células imunológicas podem pegar e usar para gerar uma resposta específica do tumor.

Na prática

Os cientistas implantaram o medicamento, que é do tamanho do comprimido de aspirina, sob a pele dos camundongos. A vacina também foi colocada perto de um dos linfonodos, que são pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo. Com essa tática, os cientistas chegaram a dois resultados:

– Uma das aplicações foi capaz de incentivar o crescimento e a reunião das células dendríticas, que são tipos de células do sistema imunológico responsáveis por iniciar a defesa do corpo contra uma ameaça.


– Além de reunir essas células de defesa, a vacina transportou uma droga usada na quimioterapia, que conseguiu matar células cancerosas.

Ou seja, com o rompimento dos tumores, foi liberado um material que as células dendríticas reconheceram como ameaça ao corpo, e começaram a destruí-lo.

Confira um vídeo ilustrativo sobre a ação da vacina.

 

Segundo Hua Wang, o estudo foi focado nesse tipo de câncer porque esse é justamente um dos mais delicados de serem tratados. O câncer de mama triplo-negativo não estimula respostas fortes do sistema imunológico, e as imunoterapias existentes não conseguiram tratá-lo, explica o pesquisador no artigo.

É claro que os pesquisadores ainda têm um longo caminho até que a vacina, enfim, possa ser testada também em seres humanos, mas só pelo fato de os primeiros teste terem sido 100% eficazes, isso mostra que os cientistas estão no caminho certo. Tomara que, em breve, possamos receber mais ótimas notícias a respeito do estudo.

O que você achou dessa descoberta?

Dê a sua opinião nos comentários e não se esqueça de compartilhar essa novidade nas suas redes sociais.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.