5min. de leitura

VAMOS PERDOAR?

Quando somos magoados a primeira tentativa é fugir da dor, embora até consiga, mas momentaneamente, o que não resolve se não encararmos de frente a dor causada.


Aprender a sentir a própria dor, olhá-la de frente e sem medo torna-nos mais sensíveis à dor dos outros. Por mais dolorosa ou injusta que essa dor possa ter sido, perdoar a quem nos magoou é difícil, exige vontade, força e tempo.
Há ainda uma outra dificuldade associada ao perdão, pois perdoar implica renunciar à nossa imagem de maltratados, de destroçados, de vítimas.

“O perdão não é só para os outros. Não se trata somente de os libertar. O perdão, sobretudo a nós próprios, permite libertarmo-nos do ciclo interminável da dor, da raiva e de recriminações que nos mantêm prisioneiros do sofrimento.”

VAMOS PERDOAR FOTO DE CAPA E FOTO DE DENTRO


Cada um perceberá em si mesmo do que precisa para poder perdoar e de quando se sente preparado para o fazer. Este processo não deve ser forçado nem precipitado, é preciso dar tempo, respeitar as emoções de raiva, ressentimento, tristeza.

Esperar que o coração esteja preparado para perdoar. O que perdoamos não é o ato, a violência, a negligência, mas sim as pessoas que não foram capazes de fazer melhor. Perdoamos as suas limitações, os seus erros, o seu descontrolo, o seu abandono…


Enquanto não perdoarmos, permaneceremos como que amarrados ao outro e ao sofrimento que ele nos provocou e isso aumentará em nós a dor que sentimos.

Quando perdoamos, libertamo-nos do peso dessa amarra e deixamos o outro ser como realmente é.

“O perdão torna-nos livres para que cada um possa fazer o seu caminho e seguir.”

Inclusivamente, não nos damos conta da interpretação errada que fazemos quando rezamos o Pai-Nosso: “Perdoa as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”, como se o perdão de Deus estivesse sujeito aos nossos pobres indultos humanos. Esta oração deve ser entendida como S. Paulo ensina: “Como o Senhor vos perdoou, assim também fazei vós” (Col 3, 13).

Trata-se de uma exortação ao exercício da misericórdia, estando conscientes de que, também nós já fomos perdoados e, porque fomos perdoados, podemos perdoar. Perdoar não significa sentir-se como antes da ofensa é um equívoco muito comum crer que perdoar é restaurar a relação tal como estava. Perdoar não é sinônimo de reconciliação no sentido em que não retoma a relação no ponto em que estava. Na verdade não se pode voltar ao passado, no entanto, o conflito pode servir para se fazer uma avaliação da qualidade da relação que pode vir a ser recriada sobre novas bases, mais sólidas.

Perdoar não exige renunciar aos nossos direitos, não significa que não se condene o agressor, perdoar não é renunciar à justiça. O perdão é um ato de benevolência gratuita.

O perdão que não procura a justiça, longe de ser um sinal de força e nobreza, traduz sobretudo debilidade e falsa tolerância e incita indiretamente à perpetuação do delito.

Perdoar não significa desculpar o ofensor, não é retirar ao outro a sua responsabilidade moral. O verdadeiro perdão do coração tem lugar na humildade e abre caminho à reconciliação.

O falso perdão permite manter uma relação de dominador-dominado, é um gesto de poder sobre o outro e não um gesto de força interior.

Guardar sentimentos de raiva e ódio e projeções daquilo que não aceitamos nos outros pode nos fazer adoecer física e psiquicamente. O acúmulo dessas vivências destrutivas gera um excesso de estresse que não é metabolizado e se transforma em arma contra a própria pessoa.

Em última instância, alguns adoecimentos estão ligados a uma personalidade rígida, que não aceita o perdão. Por isso, é tão importante elaborar nossas dores e passar a ter um olhar diferente do mundo e de nós mesmos.

Li essa frase e achei incrível:

“Eu te peço, esteja de coração aberto para aceitar os meus deslizes, prometo estar de braços estendidos quando você precisar que eu entenda os seus.” (Autor desconhecido)





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.