publicidade

Vende-se amor-próprio:

Ela só saía de casa em dias de céu azul, com muito sol ou na lua cheia. Era uma mulher de poucas palavras, mas de muita atitude. Dizia que o valor das palavras estava nas ações.

Acordava, impreterivelmente, às 8h da manhã, nem um minuto a mais, nem a menos.



Antes mesmo de se levantar, pegou o espelho que estava sobre seu criado-mudo e olhou sua face que tanto venerava e esmiuçava cada parte da beleza que lhe fora dada.

Tinha a sensação que a cada dia que passava sua beleza aumentava. Depois de se admirar, levantou-se da cama, tomou uma ducha morna, para não agredir a pele.

Saiu do banho e se pôs de corpo inteiro de frente ao espelho.


Passou a toalha suavemente sobre a pele sentindo o prazer de enxugar as gotículas que compartilhavam de sua beleza.

Colocou um vestido nude, com decote V nas costas, calçou o Louboutin preto e borrifou sua fragrância preferida de lírios sobre os seus cabelos compridos.

Antes de sair de casa, deu mais uma olhada no visual e fechou a porta.


Seu caminhar pela Madison Avenue, conseguia o olhar de todos, até mesmo de outras mulheres. Com um sorriso cativante no rosto, ela desfilava com charme, elegância e muita sensualidade.

Atravessou a avenida, quando percebeu uma nova boutique. Faltavam alguns minutos para as 9h, o que dava para entrar na loja e depois ir ao trabalho sem chegar atrasada.

Olhou por fora da loja, procurando pelo nome, mas não achou. Empurrou a porta de blindex preto e adentrou.

Com decoração minimalista e nas cores de tons pastéis, a boutique era diferente de todas que conhecera.

Achou estranho, pois além dos sofás em couro, não havia nenhum produto que poderia estar à venda. Pelo menos, não que enxergasse.

– Aqui vendemos amor próprio! – Disse uma voz masculina atrás

– Não entendi!

– Não entendeu porque não precisa do que comercializamos.

– E como pode ter certeza?

– Os que se amam possuem um jeito singular.

– E se eu estiver à procura de mais amor?

O homem de smoking preto pediu para que ela o seguisse. Andaram por um corredor e chegaram numa sala. As luzes foram acesas descortinando dezenas de espelhos que ali estavam.

– Seja bem-vinda ao salão dos espelhos!

Ela não sabia em qual direção olhar. Todas resultavam em sua beleza. Acompanhava seus reflexos nos imensos espelhos. As batidas de seu coração tornaram-se mais rápidas.

– Está tudo bem? – Indagou o homem

Sem dizer uma palavra ela começou a quebrar todos os espelhos, até que ficasse apenas um.

E virando-se para ele, ela disse:

– Como posso ter amor-próprio se tenho ciúmes de meus reflexos?

 

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.