ColunistasComportamento

A verdade quando é dita, dói… Mas é um Santo remédio!

A VERDADE QUANDO É DITA DÓI foto 04 1

 



Silêncio! Será Mesmo Que Ele é O Melhor?

Ah esse outro, que está sempre nos espelhando. O nosso oposto, aquele que pode vir para nos dizer o quão amável ou miserável podemos ser. Esperamos que o outro seja sincero, mas será que realmente estamos preparados para ouvirmos o que ele tem a nos dizer?

De qualquer maneira, tudo depende não é mesmo? Nem toda verdade é bem-vinda, ainda mais se vier vestida de muita crítica. E se for destrutiva, ainda mais crítica ela fica!!!


Aí fechamos imediatamente nossos ouvidos, quando não, atacamos com unhas e dentes aquele que naquele exato momento do ataque acaba de se tornar nosso inimigo implacável. Pensamos, e quase pronunciamos: como pode esse outro falar assim comigo? Se pensássemos com a barriga e agíssemos com a cabeça, muito provavelmente ignoraríamos.

Sabe porquê? Porque aquilo que não nos pertence a gente não aceita, simples assim. Então não tem o porquê de nos sentirmos afetados, não é? Agora, se a crítica é construtiva, ah… aí temos um pouco mais de trabalho, isto é, um desafio a ser percorrido.

a-verdade-quando-e-dita-doi-foto-02

Precisamos ter no mínimo um pouco de discernimento, para que não entre no nosso ouvido como uma faca, e corte a escuta ativa. Eh, pois é ela que nos leva a refletir, ponderar e a nos internalizarmos. Entretanto, para que esse processo seja eficaz, é preciso de mais um acessório extra – O RECONHECIMENTO de quem somos. Ambos escuta ativa e o reconhecimento de quem verdadeiramente somos são aqueles que nos levarão ao que mais interessa, a conexão. A conexão entre o que a nossa mente escuta e o que é processado através de uma reflexão que só nós mesmos podemos fazer.


E a respeito da humildade? Ah, a humildade…essa bela e suave que vem para nos ajudar aceitar, o que não está legal e tentar melhorar ou mudar o foco. Desta maneira, aquela verdade, ou crítica que tanto poderia ser vista/sentida como um incômodo passa a ser encarada como um grande aprendizado para o nosso crescimento. E seguimos adiante…

QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA QUEM NUNCA MENTIU. ENTÃO…

Passei muitos anos da minha vida detestando literalmente os mentirosos de carteirinha. Aí vem aquela velha história: olha que é espelho hein? #sqn. Mesmo no meu caso, pelo contrário, até sofro por ser demasiadamente sincera, na verdade, já fui mais.

Aí me perguntava, porque me incomoda tanto, então? Já sei que para alguns é por conta do espelho, mas isso não é uma regra, haja visto o meu caso. Depois de passado por todo treinamento de coaching onde eu tive que rever crenças e valores, pude avaliar que a VERDADE é um valor de extrema importância para mim, ou seja, o oposto eu repugno. Portanto, tanto a mentira ou a falsidade vão contra os meus valores.


Por consequência, eu não os aceito, e temos por costume já intrínseco de não aceitar/respeitar/concordar com nada que bata com nossas crenças e valores. E para que consigamos superar essa repulsa, precisamos desconstruir nossas crenças e valores, ou no mínimo reavalia-los. Assim, transcendemos esse ponto, e quando nos deparamos com uma mentira ou mesmo com uma pessoa que está sendo falsa conosco, não mais nos desconsertamos diante dessa situação, porque conseguimos entender que não nos pertence, e sim a outra pessoa. Hoje, quando me deparo com alguém mentindo para mim ou sendo falso não mais me descabelo, trato com muita mais naturalidade, dependendo do meu humor, às vezes, devolvo essa mentira para a própria pessoa, como se fosse um espelho e digo: olhe-se. Essa parte é dura, pois ninguém gosta de encarar-se, ainda mais seu próprio defeito, não é mesmo?

QUE DECEPÇÃO… NUNCA IMAGINEI?!?!  NÃO TOLERO. QUANTA INJUSTIÇA!!!  E A INGRATIDÃO, SOCORRO?!?!

Tudo fruto de EXPECTATIVAS?  Sim senhor! Sim senhora! Expectativas são as que mais nos perturbam ao longo da nossa vida, sabia? Bem, diria para a grande maioria…

Quantas vezes você já não ouviu: Não deposite tantas expectativas nas pessoas, senão você será um frustrado; ou faça ao seu próximo e esqueça, porque se você esperar por algo em troca, você corre o risco de ser um forte candidato a se frustrar; ou ainda dê valor a quem dá te valor, porque a maioria não está nem aí; espere menos das pessoas, cuide da sua vida, em outras palavras – se importe menos com as pessoas, cuide só de você.


Bom, diria que esse aprendizado acerca das EXPECTATIVAS, foi e ainda está sendo, pois não acabo de aprender por completo, da mais árdua para mim. Além delas praticamente até hoje se manterem presente na minha vida se repetindo e impactando no meu emocional de forma aparentemente “negativa”, todavia, eu PERMITIA que elas fizessem um estrago ainda maior, gerando assim aquelas grandes decepções, desapontamentos e de uma certa forma me frustrava, porque nada saia do meu jeito.

Ninguém atendia aos meus requisitos, ou seja, a toda demanda que eu exigia por conta de toda entrega que eu dava. Inconscientemente eu esperava do outro a altura do que eu dava. Entretanto, eu não conseguia entender que o outro não consegue dar aquilo que ele não tem para me dar, ou seja, aquilo que não esteja em sua essência. Me custou muito a entender isso. Com os anos, fui assimilando melhor todo esse contexto emocional das Expectativas. Ao longo de muitos episódios, leitura, experiências… tanto minhas quanto as que observei ao meu redor. Conclui que é muito desafiador para nós seres emocionais nos despirmos por completo de

Expectativas. O que podemos fazer no melhor dos casos conforme nossa essência, respeitando-a, é moldar a frequência. Quando nos despimos das expectativas é como se apertássemos o botão “não estou nem aí” ou “não me importo”. Frequência ajustada conforme a nossa essência, nos tornamos donos das nossas emoções, isto é, já não é mais o outro que nos decepciona, somos nós que escolhemos se o outro irá ou não nos decepcionar; se uma situação X, Y ou Z de injustiça nos afeta a ponto de nos tirar do eixo; se alguém está sendo grato ou não, muito provavelmente com esta nova frequência provocamos a pergunta que não se cala: Quanto fulano pode nos dar? Isso é tudo que ele pode nos dar?

Ok, gratidão, e jogamos para o astral. O lance está na frequência, e tiramos do outro a responsabilidade que ele supostamente tem sobre nos decepcionar ou nos frustrar. Se você se decepcionou ou se frustrou, module a frequência de suas expectativas, que você verá a diferença nas suas próprias emoções, e não haverá mais o outro, te garanto. E sim você, e o sentimento claramente também será outro.


PSIUUUUU!!!!!…. BOCA FECHADA NÃO ENTRA MOSQUITO…. QUEM FALA DEMAIS, DÁ BOM DIA A CAVALO… O SILÊNCIO É A MELHOR RESPOSTA. SERÁ???

a-verdade-quando-e-dita-doi-foto-04
Como você se sente quando você envia uma mensagem para alguém via SMS e a pessoa não responde? E no WhatsApp, quando a pessoa lê a mensagem, você sabe disso por conta dos dois ticks azuis que aparecem, mas ela não responde. E aí, qual é a sua atitude frente a isso? Como você se sente? Ainda no WhatsApp, hoje há a possibilidade de camuflar os recebimentos das mensagens através de recursos que são disponibilizados pela própria WhatsApp. Obviamente que esses recursos foram inventados por conta de uma demanda. Que demanda seria essa? Uma demanda por conta de pessoas que “ignoram” mensagens do remetente? Ou seria qualquer outro motivo, por exemplo não ter que dar explicações do porquê não ter respondido a msg? Enfim, o silêncio gera nas pessoas “any” ou muitos desconfortos os quais as fazem tomar também uma série de atitudes, das mais variadas possíveis. Vocês não imaginam o quanto o silêncio fala, grita e as vezes até batem nas pessoas!!!! Em mim por exemplo o silêncio me espancou Rsss. Vou ilustrar alguns exemplos os quais o silêncio foi mais maléfico ao invés de benéfico para mim.

Vejamos:


-Você precisa resolver um assunto de extrema urgência. Você faz parte de um grupo de WhatsApp de 5 pessoas. O assunto é um caso de doença, e você precisa que todos se manifestem no grupo te respondendo as solicitações que você fez. Entretanto, dos quatro somente dois te responderam e os outros dois somente leram, mas não responderam. Eles se mantem em um total silêncio. Você até os chama em privado, mas tudo que você recebe é uma total indiferença. Aí você se cansa, e decide ligar, é claro.

Qual a clássica desculpa??? Puts, estava mega ocupado, até vi suas mensagens, mas não deu para te responder…. Eu iria te responder…. Detalhe: Essa ligação foi feita após dois dias. O urgente se tornou importante, porque a pessoa que lida com esse grupo já sabe que funciona assim. Se fosse realmente urgente ” caso de vida e morte” obviamente a morte viria, não é mesmo? – O que podemos concluir com este caso? Reflexões? Deixo com você meu caro amigo/a leitor/a…

-Montei um grupo político o qual discutíamos sobre variados assuntos. Porém, o intuito principal era político. Eu cheguei a lançar 3 desafios os quais eram responder perguntas poderosas sobre Filósofos e suas teorias. Dava-lhes uma semana para pensar e analisar a respeito. Achava uma semana de bom tamanho, mas mesmo se não fosse, estava aberta que eles pudessem me dizer para que pudéssemos estender para mais tempo então….

Inicialmente, tinha muita expectativa com esse grupo, pensei que desse certo, mas o silêncio desde o início imperava. Era uma coisa inexplicável, insuportável e absolutamente sem propósito. Me perguntava inúmeras vezes: O que move um ser participar de um grupo tão ativo o qual as pessoas interagem o tempo todo, e ele só observa, observa e observa… e quando eu chamava esse (s) camarada (s), ele não respondia!!!!! Eu quase enlouqueci!!!! Foi uma das piores experiências que já tive com grupos de pessoas na minha vida. Aquele silêncio me ensurdecia!!! Rsss


-Você aprende que ser gentil, amável e amoroso com o seu próximo é a uns dos preceitos de bons modos e faz parte de um daqueles itens da boa moral e ética para se viver na sociedade. Além de que “devemos” fazer para o outro o que gostaríamos que fizessem para nós mesmos, não é? Pois é? Lá vamos nós novamente nas caixinhas Rss que não funcionam assim tão quadradinhas…. Você exercita isso anos a fio…. É amável, gentil, tenta agradar a todos. Manda aqueles “Bom dia gente” pra todos no Fabebook/WhatsApp em toda rede social se for possível, fala Bom dia, boa tarde e boa noite até para o cachorro da rua… Até chegar um dia que você se depara que muitos, mas muitos poucos retribuem o seu alegre BOM DIA!!!! Ou seja, o cumprimento que for…. Mas há aqueles que dizem: Ah, mas você deve fazer e não olhar a quem… Rss. Mas o mais interessante é que o quem mais fala isso normalmente é o que gasta menos de seu preciosíssimo tempo com o outro, então né? Tudo, absolutamente tudo cansa!!! E a gota d’agua foi quando uma pessoa muito integra e próxima pelo menos de sangue (tenho certeza que muitos não o chamariam de integro, mas para mim pelo menos naquele momento ele agiu de forma muito integra pois falou a verdade e teve a coragem), chegou até a mim e me disse: Se toca oh, ninguém está nem aí com o seu Bom Dia, muito menos com o que você tem para nos dizer, por isso o silêncio, você não percebe que ninguém te responde??? Isso entrou como uma faca no meu peito, mas eu precisava ouvir. Precisava desse momento masoquista, apanhar com palavras para acordar desse Mundo que nos contam que o Silêncio é positivo, e que a gente faz questão de acreditar porque é conveniente contarmos mentiras para nós mesmos.

a-verdade-quando-e-dita-doi-foto-02

Se me perguntarem o que mais te afeta hoje? Eu definitivamente responderia com um longo Silêncio, ironia da vida. Por quê? Consigo ouvir como um coro vindo de todos. Depois desse longo silêncio voltaria a pergunta a pessoa que me perguntou. Como você se sentiu durante esse momento que eu me mantive em total silêncio, sem responder sua pergunta? Qual foi seu sentimento? De indiferença, desprezo, descaso…

Pelo menos para mim o silêncio é no mínimo o representante legítimo da indiferença. E no pior dos casos do desprezível. Já tive o desprazer de saborear os dois.


Lição feita, lição aprendida.

Gratidão,

By [email protected]

5 dicas para viver com entusiasmo:

Artigo Anterior

Cromoterapia – uma ciência auxiliar da cura

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.