3min. de leitura

Às vezes, não percebemos, mas só precisamos descansar a alma…

É preciso parar e rever o caminho…. Descansar. Até para sonharmos mais, precisamos dos olhos fechados e de quietude na alma.

Parece um título estranho. Remete-nos a um fim, mas não é nada disso. Há um mundo lá fora e dentro de nós que se confunde. Não conseguimos mais separar.



Andamos na rua desejando estar em casa. Estamos no quarto imaginando além das paredes. As ideias não cessam, os pensamentos não sossegam. Há sempre algo por terminar, alguém para quem devemos alguma coisa, um favor. Há sempre uma mensagem para responder.

Parece que precisamos sempre estar atentos, estar dispostos, a postos. Há uma ânsia por parar e a gente não consegue. Queremos mais tempo para uma oração, para terminar coisas que sempre adiamos.

Nós nos perdemos do nosso eu, da nossa singularidade. Há uma inquietude, um cansaço de nós mesmos, do corpo, da mente, do espírito. Gostaríamos de estar num lugar ou pseudo lugar e poder aproveitar mais. Porém, vamos nos prendendo ao mais do mesmo, à pressa, à agonia, ao estresse.


É aí que alguns sintomas se revelam. A gente começa a perceber a vida passando,  perdendo-se. Em alguns momentos estamos emotivos, outros, sem motivo.

É preciso parar e rever o caminho e não viver o que é dos outros. Descansar. Até para sonharmos mais, precisamos dos olhos fechados e de quietude na alma.

Não é tão simples assim quando coisas são adiadas e estão incompletas. Estamos perdidos no nosso próprio tempo. Ficamos procurando por mais horas e tudo se esvai e continuamos nos ocupando e culpando por não sabermos viver.


Há momentos em que a alma quer romper com tudo isso. E é possível perceber, quando conseguimos parar e cuidar de nós mesmos, cuidar dos pensamentos, observar nossas ações, escutar o nosso eu.

É ali que a alma descansa, no silêncio que aceitamos para colocar a vida no lugar.

Não é preciso pensar tanto, planejar tanto, sofrer tanto. É necessário fazer o mundo entender que não adianta cobrar tanto. E mais importante, não cobrarmos tanto do mundo.

Este ciclo vicioso de esperar demais dos outros e de nós mesmos nos torna seres cansados, esgotados. E a vida quer mais sossego para que ela possa se mostrar mais intensa e real, diferente da ilusão que criamos e que com nossa alma cansada e a paz roubada não conseguimos perceber.

_____________

Direitos autorais da imagem de capa: stockbroker / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.