ColunistasReflexão

A vida é curta demais para vivermos em meio à tanta disputa de ego, tanta banalidade humana.

A vida é curta demais para vivermos em meio a tantas rusgas

O luto é um dos piores sentimentos que podemos viver. Mesmo sabendo que somos temporários, mesmo sabendo que a vida continua do outro lado.



Pessoas que se vão e nos deixam saudades, deixam-nos seu cheiro, seu olhar, seu sorriso. Deixam-nos refletindo que somos apenas instantes e sopro de vida.

Deus sabe do tempo de cada um. A vida é transitória. Somos efêmeros. Que Deus conforte aqueles que tiveram a partida de algum ente querido. Que o plano espiritual fique ainda mais bonito e florido.

A proximidade do dia dos pais me fez lembrar muito do quanto eu amo meu Pai. De como sua partida me fez sofrer. A lembrança dos meus irmãos que se foram, tão jovens, mostrou-me que não sou nada além de um corpo vestido de matéria. Que meu espírito pode ir e vir, e que precisa aprender a ser melhor, por mais que a vida venha e bata, por mais que ele se ajoelhe.


Só assim o amadurecimento vem. Só assim cabe-se mais entendimento interno e moral.

Se aqui fiquei é porque ainda tenho algo a cumprir. Os mistérios do universo são coisas que muitas vezes paramos para tentar desvendar e entender.

E assim é a vida. Nunca sabemos o próximo movimento no tabuleiro de xadrez. Nunca sabemos qual será a próxima despedida. Contribuir para que as coisas fluam contribuir para que as pessoas se unam mais é como contribuir para uma grande melhora espiritual.

Por mais que haja diferenças o importante é saber perdoar e sentir que tudo que foi preciso foi feito.


A vida é curta demais para vivermos em meio a tantas rusgas, tanta disputa de ego, tanto banalidade humana. Por isso eu sempre acho que é preciso dar o melhor de si, mesmo não sendo valorizado, é preciso construir melhor o próprio alicerce aguentando as tempestades e as demolições que chegam sem avisar feito terremoto na alma.

Ninguém é de ninguém. Os nossos pertences são empréstimos de Deus. Assim como nosso invólucro.

O que eu sei é que a casa vai ficando vazia, os cômodos também. Sobram lugares na mesa, sobra espaço para aquilo que não se repõe. Falta gente, falta vida. Falta aquilo que o luxo não diz aquilo que o excesso não completa. Que só o toque de um abraço, entende. Que só um olhar de amor demonstra.

O que eu sei que certas coisas não têm preço. Certas coisas valem mais do que qualquer posse.


Quando o luto vem é preciso vivê-lo no seu tempo. Cada um é cada um. Na vida é preciso plantar mais amor e colher mais amizade, carinho e respeito.

Só assim a gente sobrevive aos baques e ao que Deus quer mostrar pra gente.

Você só cocria o que estiver na mesma frequência que está sendo emitida!

Artigo Anterior

Quando se toca o chão, a única opção é levantar-se!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.