6min. de leitura

Vida, experiência e história num novo tempo…

Chegamos ao final de uma história, quando entendemos o seu enredo.

E assim, como num momento de alegria, ela termina. Não haverá beijos de despedida, nem palavras que demonstrem um adeus triste, apenas uma mistura de ansiedade e contentamento, por ter deixado para trás, as possíveis frustrações e as decepções por alguns sonhos não realizados. E também porque há a esperança de um recomeço indolor, porque vale a pena recomeçar uma nova história.


Talvez tenhamos vivido histórias de amor, ou quem sabe tenhamos sofrido perdas irreparáveis, mas nos propomos a fazer tudo de novo, com promessas de que seremos vencedores mais uma vez, porque faremos aquilo que é certo, por tomarmos as decisões certas.

Somos convidados a vivermos a lamúrias do nosso passado. E somos confrontados por seus fantasmas. Sim, pode ser que fantasmas existam, e que voltem para nos assombrar, embora não sejam tão medonhos a ponto de nos fazerem desistir, mas nos prepararmos para uma nova batalha.

Nós poderíamos viver uma vida sem expectativas de um amanhã diferente, mas seria uma existência infrutífera. Sem participação no processo evolutivo das pessoas e do universo do qual fazemos parte.


E não nos cansamos de agradecer àqueles que estiveram sempre presente nas nossas vidas. E muitos dos que nos apoiaram e nos quiseram bem, talvez nem tenham visto o resultado do nosso sucesso, mas estiveram conosco, em nossos pensamentos, portanto fazem parte das nossas conquistas.

É necessário que haja uma despedida. Não que seja uma despedida eterna, porque dentro de pouco tempo, ou dias, ou horas, ou minutos, poderemos nos encontrar novamente.

E haverá sempre esse reencontro. Por vários motivos, e olha que alguns deles, nos farão seguir novos caminhos. Caminhos de esperança e realizações motivados por aquilo que fizemos no tempo que se passou.

Então chega o momento de vivenciarmos aquilo que foi grandioso nas nossas vidas. O que fizemos, o que dissemos, o que não fizemos, aquilo que perdemos ou ganhamos.


Tudo que foi importante para a nossa história e que, por um motivo ou outro poderá deixar saudades. 

E daquilo que rimos, mesmo das coisas mais bobas que realizamos com aqueles que amamos. Assim, muitas vezes, nós nos entregamos às lágrimas, e que mesmo que nos lembremos de todos os sorrisos, não poderão ser contidas.

E o motivo? A certeza de que o amanhã trará mais uma oportunidade de realização de um sonho. E devemos aproveitar essa oportunidade para fazermos de cada incerteza, um trampolim para a vitória. E no meio de toda essa despedida, talvez haja ainda alguém que fique triste. Uma pessoa que se perdeu da outra, e que por um instante se sente solitária. Então nos lembramos de que nesse próximo tempo não é permitido cultivar a tristeza, porquanto só a alegria encontrará terreno fértil nos nossos corações. E que será proibido confessar fracassos, apenas sentimentos que tragam sorrisos às almas mais tristes.

Será preferível o inexplicável sentimento de sossego, ao encontro saudoso de qualquer lembrança de perturbação, porque queremos o merecido descanso das fadigas de outrora.

Não será tempo de separação. Queremos bons conselhos, para que o amor prevaleça nos corações.

Apenas os momentos perfeitos serão lembrados, então sempre será tempo de reconciliação. E não há motivos para fugir da saudade, simplesmente porque não importa o quão grande ela seja, um breve encontro a colocará no chinelo.   

Ah, talvez valha a pena, nesse novo tempo, fazermos coisas diferentes. Esforçarmos para fazermos felizes aqueles aos quais amamos. Oferecermos flores, e palavras confortantes. Talvez um telefonema, sem nos esquecermos de dar explicações pelo sumiço de um ano inteiro. Ou talvez nos lembremos apenas de um tempo de silêncio. E por fim, dizemos a palavra “adeus”. Então, nesse novo tempo, vamos amar mais, viver com mais encontros e menos despedidas. Que passemos a valorizar aqueles que amamos a cada segundo das nossas vidas, e não no final delas.

Que seja um tempo novo, para que possamos viver em novidade de vida. Que seja tempo de renovação, de compromisso com nossos semelhantes e de compartilhar alegria e, principalmente, de gratidão. Durante o tempo todo.

Que não seja dado como fim, mas como um novo começo, uma nova vida, uma nova história. Que nossas despedidas não sejam constantes, e que o sentimento seja de um eterno reencontro.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.