5min. de leitura

Viver é isso: descobrir-se um novo ser a cada dia, reinventar-se, ser a tal metamorfose ambulante

Um novo ser a cada dia – Aproveite a brisa!

Quando eu era criança, ouvia dizer que quanto mais eu crescesse, mais a noção da brevidade do tempo se intensificaria. Era algo mais ou menos assim: quando criança viveríamos a fase do tempo longo, quando a sensação de viver seria lenta. Na adolescência, isso se tornaria o dobro. E, enfim, na vida adulta, a percepção de tempo se dobraria a cada dez anos, e depois a cada cinco.



A sensação deste momento é que o ano acaba de ter começado, porém já estamos na metade dele. A compreensão de que o tempo passa cada vez mais rapidamente e de que não temos absolutamente nenhum poder sobre ele, não me parece que aumenta somente a cada dez anos, mas a cada dia.

Tem semana que parece ter durado um mês. E dia que durou dois, ou três. O aprendizado se tornou intenso. As mudanças internas são absolutamente constantes e nada se estagna.

Pergunto-me se com todos é assim. É mesmo uma questão de idade? Ou ritmo de vida? Será que a dona de casa também sente o tempo escorrer por entre os seus dedos? E o que fazer para não deixar que a própria vida também nos escape como água?

Olhar para o passado, seja contando um dia, meses ou anos, não é fácil. Ver os amigos que ficaram para trás, as boas fases de toda uma vida, os lugares, as boas lembranças e os raros sentimentos de plenitude. Além da velha culpa de um erro e vários outros. Quanto tempo não se leva para corrigir os mesmos? Cruel é perceber que a correção dos desacertos não acontece tão depressa quanto a passagem do tempo.


Será que meus amigos de infância sentem o mesmo? Meus pais? Meu filho? Por que, por vezes, ainda me vejo adolescente enquanto durmo? Para o meu inconsciente o tempo não correu na mesma velocidade que para o meu consciente?

Dizem que a velocidade da alma não é igual a de nosso corpo e de nossa vida. Para ela, a vida acontece devagar, em movimentos leves.

Em meio ao caos do dia a dia corrido, as coisas realmente importantes demoram, levam anos. Anos para se compreender, anos para se pedir perdão, anos para amar de verdade, tanto a si mesmo, quando a todos os demais. Anos para entender que não somos melhores do que ninguém, apenas estamos em diferentes estágios.

Vivemos sim, dois tempos ao mesmo tempo. Um deles é louco o bastante para fazer com que a gente se perca. O tempo que se conta no relógio: o medo de perder a hora no dia seguinte, o pular da cama para um banho rápido e um café da manhã no caminho do trabalho. O tempo de fazer mil coisas ao mesmo tempo, já com receio do cansaço do dia seguinte, quando toda esta rotina se repetirá, sem cessar.


O outro tempo, é o que se sobressai a tudo isso, aquele que nos faz parar a mente, quando olhamos para o que realmente importa: até quando meus pais vão estar aqui? Meus amigos? Meus filhos? Até quando terei saúde? E até quando eu estarei aqui? E então essas reflexões nos tiram por um momento do outro tempo.

Entre uma coisa e outra, fato é que a vida passa. Não temos controle sobre nada, senão sobre nós mesmos, mas ainda assim, depois de certa dose de maturidade e consciência.

Demora… enquanto a vida passa e os desacertos se tornam incontáveis, a maturidade e sentido da vida, chegam a conta gotas, porém firmes e enraizados.

Viver é isso aí: descobrir-se um novo ser a cada dia, reinventar-se, ser a tal metamorfose ambulante em meio a um mundo que não para de mudar. Readaptar-se. Ver e rever as próprias opiniões, criando novas percepções.

Olha-se para trás, por vezes, com pesar, mas sempre se dando um passo à frente.

Numa vida que se conta ao mesmo tempo por milhões de segundos e por tantos anos, no fim, somos apenas um sopro, que se desmancha no ar. Vale aproveitar a brisa!


Direitos autorais da imagem de capa: wallhere.com.pt / 603018

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.