ColunistasEspiritualidade

Viver no agora é um remédio milagroso que você pode estar jogando fora

Viver no agora é um

Quando ouvimos que o mal da década é a ansiedade, percebemos o quanto sonhamos com o futuro, querendo sempre mais, sem nada fazer para torná-lo realidade.



Olhando para a última década, vemos que a doença que mais crescia entre a população era a depressão, então percebemos o quanto muitos ainda vivem no passado, guardando memórias dolorosas, discussões e pesadelos que, um dia, os assolou.

Deparamo-nos com excessos de passado ou futuro, curtindo histórias alheias, ao invés de escrever nossos próprios capítulos, com nossa letra, nossas fotos e momentos. Estamos perdendo o amor pelo presente, esquecendo cada esforço feito para sermos o que somos no hoje.

Olhe ao redor e sinta o seu momento


Atente-se em como as redes sociais podem estar nos privando de viver o melhor que o hoje pode nos oferecer, fazendo-nos sempre querer estar na foto do outro, na viagem de alguém, em um momento que não é nosso.

Enquanto poderíamos nos sentir abraçados em um presente incrível, cercados de amor, estamos cegos demais para enxergar tal dádiva.

Já falamos aqui sobre o poder de encontrar a felicidade nos pequenos momentos de cada dia, aproveitando o sabor de cada alimento, o ritmo de cada música, o prazer de cada pequena conquista.

Falamos sobre a dádiva de buscarmos a alegria dentro de nós e não jogarmos em outras pessoas a responsabilidade por nossa felicidade.


Então, se eu lhe perguntasse o que o fez mais feliz hoje, você seria capaz de se lembrar de cada detalhe que lhe trouxe felicidade?

Precisamos começar a valorizar esses momentos que a vida nos presenteia!

Olhe ao redor e aprecie tudo o que pode despertar um sorriso em seu rosto. Guarde essas memórias felizes, todos os dias, e, aos poucos, perceberá como viver no agora o ajudará a curar qualquer sintoma de ansiedade ou depressão.

Abraços e boas escolhas!



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF / microgen


Tenha responsabilidade afetiva. Não está a fim? fale. Não quer mais? diga. Só não minta.

Artigo Anterior

Amigos com síndrome de down abrem pizzaria, após não conseguirem emprego

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.