publicidade

Você acredita em destino?

Você acredita no destino?

Frequentemente sentimos essa estranha sensação onde a casualidade, o inesperado, vai marcando nosso caminho e nos obrigando a definir nossa vida em uma ou outra direção. Há quem diga que são escolhas do destino, dessa força que está acima de nós e que nos empurra a uma sucessão inevitável de acontecimentos, dos quais não podemos escapar.



Algo assim vai muito além de uma simples sincronia, e significaria que nada ocorre por sorte, e sim por determinação pessoal. O que faz algumas pessoas pensarem assim? Afinal, estamos a mercê do destino ou somos livres para escolher nosso próprio caminho?

Casualidade ou causalidade?

É verdade que, às vezes, acontecem coisas que nos surpreendem: conhecer alguém em determinado lugar e circunstância, uma sorte que, um dia, aparece inesperadamente, uma escolha que fazemos sem saber muito bem por qual motivo… É mera casualidade? Ou deve-se, talvez, a uma misteriosa causalidade?

É verdade que é necessário dispor de uma mente muito aberta, de uma forma de pensar que nos liberte e não crie obstáculos diante de toda informação e todos os estímulos que nos rodeiam. No entanto, a questão se centra no fato de que se aceitamos a existência do destino, assumimos também que grande parte do que nos acontece foge da nossa compreensão e talvez até da nossa própria consciência. Então, onde estão os elos da nossa responsabilidade? Como ser responsáveis por algo que não controlamos?

Livre arbítrio e uma pincelada inexplicável

Há cientistas que afirmam a existência de um destino “quase obrigatório” que está relacionado à herança: a genética dos nossos progenitores, por vezes, determina quem somos em muitos aspectos, como caráter, traços físicos, doenças… o contexto social e pessoal no qual somos educados também pode nos afetar em maior ou menor medida, com probabilidade de 30% a 40%.


Mas, por outro lado, também temos a concepção indispensável do “livre arbítrio”, onde cada pessoa está condicionada pelas suas próprias escolhas, por sua própria história pessoal e pela sua vida, em uma sociedade que lhe permite inclinar-se por uma determinada trajetória ou outra, reconhecendo erros, confiando em si mesmo e assumindo novos desafios ou projetos.

É como disse uma vez um velho escritor italiano, “O destino não reina sem a secreta cumplicidade do instinto e da vontade”; porque a vida de uma pessoa não é tecida nas estrelas, mas sim em nossa própria realidade e no dia a dia que nos testa e nos desafios que nos testam como pessoa. Somos livres para estabelecer metas e conseguir nossas próprias conquistas…mas, sim, a casualidade existe e, às vezes, é tão singular que não podemos evitar sentir esse clima de magia inexplicável. Pois, como pessoas, por mais racionais que sejamos, sempre gostamos dessa pincelada única que contém tudo de estranho e inexplicável…


Nossas vidas, às vezes, são um caos de casualidades e fatos ilógicos, mas o fato de tomarmos as rédeas do nosso próprio destino, de sermos donos da nossa direção, vai nos permitir sermos mais responsáveis.

__

Via: A Mente é Maravilhosa

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.