4min. de leitura

VOCÊ CONSEGUE AMAR O OUTRO QUANDO NÃO ESTÁ SE AMANDO?

Enviamos para o mundo aquilo que temos dentro de nós. Se temos amor, enviamos amor. Se temos raiva, expressamos raiva ao lidar com os outros; Se estamos alegres, irradiamos alegria; Se estamos tristes, carregamos o peso da tristeza.


Influenciamos o mundo a nossa volta, ainda mais quando as pessoas não sabem se blindar do que acontece do lado de fora. Ou quando não sabe diferenciar dentro e fora, o que é nosso e o que é do outro ou do mundo (da cultura, da sociedade, dos meios de comunicação)…

E então a gente sofre e, muitas vezes até mesmo se xinga e trata o outro com o mesmo criticismo e desprezo que aprendemos nas novelas, por exemplo, tão enraizadas na cultura brasileira e que retratam dramas que muitas vezes são “internalizados” (tomamos como nossos). Desde crianças também aprendemos pelo medo “Se não deixar o chinelo direitinho a mamãe vai morrer”. Vamos aprendendo o medo, a raiva, o tédio, a depressão… coisas que não existiam no nosso mundo interno.

O problema disso é que a gente se afasta do amor, da felicidade e da paz interior e só nos fazemos mal. A nós mesmos e aos outros. A raiz disso tudo é que não aprendemos a sermos diferentes. Aprendemos que quando gritam com a gente, gritamos de volta, afinal, tudo que vai volta, certo? Errado. Isso tudo são escolhas que fazemos. Nos permitimos ser e sofrer dessa forma dentro e fora de nossos relacionamentos.


Uma vez um casal me procurou e um dos motivos de briga era porque o marido não ajudava na casa e a mulher já estava ficando revoltada com a jornada dupla de trabalho, sem a ajuda do companheiro. O homem estava tranquilo. Ela gritava com ele e ela não percebia que quem estava se irritando era ela mesma com os seus pensamentos e atitudes. Ah, Aline, mas então ele não vai ajudar, vai continuar na mesma?

Não necessariamente. Eles podem negociar de uma forma mais amorosa. Ninguém gosta de receber ordens de uma pessoa grosseira. Isso era uma falha na comunicação da mulher, que atrapalha também a comunicação do casal. Hoje, eles combinaram que ela cozinha e ele lava a louça e estão felizes assim. Afinal, os seres humanos buscam o mesmo: ser feliz. E não dá para um casal viver junto a felicidade, se criticando, desprezando e se ausentando da responsabilidade pelas suas atitudes.

Outra vez, uma moça me procurou e ela estava se sentindo tão mal consigo mesma, que afastava a todos que chegavam perto. Ela se exigia muito e exigia muito aos outros, o que foi aprendido na sua educação. Ninguém podia falhar, nem ela mesma, senão era um sofrimento só que ela se impunha. Compreendendo melhor como ela funcionava, todo esse castelo em ruínas se transformou!


Então se você pode se amar mais agora – sem nutrir sentimentos negativos dentro de você – e amar mais o outro, eliminando comportamentos destrutivos da sua vida, me diz aqui nos comentários.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.