14min. de leitura

Você é o conselho que você segue. Preste atenção à sua voz interior…

Você é a voz que ouve.

Um grupo de sapos estava viajando pela floresta quando dois deles caíram em uma vala profunda. Todos os outros sapos se reuniram em torno do poço e ficaram impressionados com sua profundidade.


“Você é tão bom quanto morto.” – As vozes do alto disseram.

Os dois sapos ignoraram os comentários e tentaram saltar do fosso. Os outros sapos ficavam dizendo que parassem, que era uma missão impossível. Finalmente, um dos sapos prestou atenção à voz que vinha de cima e desistiu. Ele caiu mais fundo na vala e morreu.

O outro sapo continuou a pular o mais forte que podia e, mais uma vez, a multidão gritou com ele, tentando impedir sua tentativa inútil.


Ele começou a saltar ainda mais forte e finalmente conseguiu sair.

“Você não nos ouviu?”  – A multidão perguntou a ele.

“Eu tenho problemas de audição. Eu pensei que vocês estavam me incentivando para sair do buraco o tempo todo. ”- disse o sapo.


Você é o conselho que você segue. As vozes de sua mente, seja a sua ou a dos outros , moldam sua clareza e confiança. Elas são mais do que uma distração, elas podem matar sua confiança, por esse motivo comece a remover o barulho e aprenda a prestar atenção à sua verdadeira voz interior.

O diálogo interno ajuda você a entender o mundo

Todos nós ouvimos vozes em nossa mente. Elas nos ajudam a refletir, planejar, imaginar, criticar ou limitar nossas possibilidades. Essa conversa interior, ao contrário de pensamentos regulares, se desenrola como um diálogo, é como uma conversa em grupo entre as diferentes partes do seu eu interior.

Quando começo a ouvir minha voz interior é que começo a falar comigo mesmo.  – Anthony T. Hincks

Você não é louco se estiver falando sozinho.

Há um sinal cerebral – “Corolário de descarga ” – que separa as experiências sensoriais que produzimos a partir das experiências externas. De acordo com um estudo do Departamento de Linguística da Universidade da Colúmbia Britânica, o discurso interno usa um sistema que é empregado principalmente para o processamento da fala externa.

É por isso que somos incapazes de nos agradar: ele prevê nossos próprios movimentos e pode omitir a sensação de cócegas por exemplo.

Estar no controle de sua voz interna não é apenas um sinal de sanidade, é vital para  que você cresça pessoalmente.

Pesquisas do professor canadense Alain Morin mostraram que há uma alta correlação entre conversar com mais frequência e uma maior autoconsciência e autoavaliação.

Os tenistas por exemplo, eles falam em voz alta entre os pontos para refletir sobre seu jogo. Os escritores fazem o mesmo quando trabalham em uma ideia (isso precisamente  é o que eu fiz quando comecei a escrever este artigo).

A “qualidade dialógica” do discurso interior é fundamental para entender o nosso verdadeiro eu.

O professor Charle Fernyhough, da Universidade de Durham, diz que :

Este diálogo tem algumas qualidades muito especiais que envolvem representar o ponto de vista ou a perspectiva de outra pessoa, que é muito poderoso! Você pode ter uma perspectiva do que está fazendo. 

Independentemente se a fala é silenciosa ou em voz alta, a fala interna forma sua autonarrativa.

As vozes que você presta atenção podem desencadear ou limitar suas possibilidades.

Por que você ouve as vozes erradas?

A maneira como falamos com nossos filhos se torna sua voz interior. – Peggy O’Mara

Sua voz interior, como sua identidade geral  é uma combinação de fatores sociais e pessoais, tanto o que você herdou,  quanto suas escolhas que moldaram  o modo de como você fala consigo mesmo.

Você não pode se livrar de como as vozes de outras pessoas os influenciaram nas suas, mas você pode optar por ouvi-las ou não.

Afinal, você nasceu em um mundo social. Quando bebê, você começou a interagir com outras pessoas, desde o primeiro dia.

O psicólogo russo Lev Vygotsky sugeriu que a fala interior se desenvolveu através da internalização do diálogo externo. Suas interações sociais formam seu diálogo interior.

Os bebês começam a falar em voz alta e depois mudam para um “discurso particular”, e eles começam a falar para si mesmos, embora outros possam ouvi-los.

A neurociência demonstrou que quando estamos falando com nós mesmos, usamos músculos e áreas semelhantes de nosso cérebro do que quando conversamos com outras pessoas.

Como  as outras pessoas  conversaram com você, mesmo quando  criança, esta ação influencia em seu diálogo interno.

Tanto o elogio quanto a rejeição moldam a sua voz interior. As vozes de outras pessoas se tornam um eco dentro de sua mente.

A crítica e a falta de apreciação facilmente se transformam em um espelho que reflete qualquer coisa menos a baixa autoestima. Já  elogios podem ter facilmente o mesmo efeito adverso, sua voz interior dir-lhe-á que você precisa de mais reconhecimento, mesmo que não tenha conseguido nada.

As vozes dentro da sua cabeça não são apenas suas, são opiniões de outras pessoas que hackearam seus pensamentos internos. Goste ou não, somos todos influenciados pelas opiniões dos outros, especialmente quando contradizem o nosso instinto.

Por esse motivo é importante prestar atenção à sua verdadeira voz interior e não ao ruído.

Nós, inerentemente, rejeitamos ideias principalmente quando nossas crenças são confrontadas, afinal nós amamos estar certos. Às vezes, usamos nossas vozes interiores para reescrever o que aconteceu e para nos transformar em heróis de nossa própria história. Porém, esse tipo de diálogo pode ser ilusório. A autorreflexão pode facilmente se tornar autoilusão.

Ficar remoendo é uma outra voz que você deseja parar de ouvir. O ato de remoer repetidamente experiências tristes ou conversas é como ficar preso na areia movediça.

Nós não recriamos lembranças tristes de propósito, mas tornar-se mais consciente de quando você cai na armadilha da “ruminação” vai ajudá-lo a ignorar esse comportamento ineficaz de enfrentamento .

Ter vozes em sua mente é tudo, menos louco. Pare de ouvir aqueles que dizem que  “você não pode”, como aconteceu com o sapo – pois manterá sua confiança em boa forma.

Como outras vozes podem entrar na sua mente

Não deixe que os ruídos e opiniões dos outros abafem sua própria voz interior. – Steve Jobs

Vozes externas são uma forma de manipulação. Conscientemente ou não, elas influenciam como você fala consigo mesmo.

No livro Influência: a psicologia da Persuasão de Robert Cialdini , ele descreve os “seis princípios da persuasão”.

Apesar do livro ter como objetivo entender como influenciar os outros, ele também é eficaz para perceber como os outros podem afetá-lo.

Você tende a seguir o conselho de alguém em que você acredita ser um especialista ( autoridade ) ou se ela vem de um indicação de alguém que você aprecia ou ama – como amigos ou familiares ( simpatia ).

As vozes de outras pessoas se tornam uma influência considerável ao tomar decisões: é difícil ir contra o que é popular ( consenso ). Se alguém ouviu seu conselho, você deve prestar atenção à sua voz – você deve a ela (reciprocidade).

Compromisso é a noção de que uma vez que as pessoas concordam em fazer algo, geralmente em público, elas são mais propensas a fazer e é por isso que algumas pessoas gostam de dar conselhos na frente dos outros, afinal elas os estão preparando.

Por último, mas não menos importante, quando alguém lhe apresenta uma oportunidade única na vida, aplica o princípio da escassez. Se você não seguir o conselho delas, você vai se arrepender.

A maioria das pessoas não está tentando manipulá-lo de propósito. Mas tornar-se mais consciente dos princípios de influência aumentará a sua autorreflexão.

Afinal, somos seres sociais e é natural ser moldado pelo que os outros lhe dizem. Por isso, não deixe que outras vozes se tornem as suas.

Vamos direto ao ponto.

Como você pode prestar mais atenção em sua voz interior?

Você nunca seguirá sua própria voz interior até esclarecer as dúvidas em sua mente. -  Roy T. Bennett

1. Pare de ouvir a voz da vítima

A voz da autopiedade é tão comum quanto prejudicial. Quando as coisas não acontecem como esperamos , culpamos os outros. Em vez de ouvir nossa sabedoria interior, acreditamos que os outros são culpados pelo nosso sofrimento.

A voz da autopiedade é fraca; sua verdadeira voz é mais forte.

Quando você ouve a voz da vítima, você se torna uma vítima, como aconteceu com um dos sapos da história. Você vai acreditar que sair da vala é impossível. Você vai cair mais fundo em vez de pular mais alto. É por isso que você tem que silenciar a voz da vítima.


2. Silencie a voz da dúvida

A escritora Suzy Kassem disse: “A dúvida mata mais sonhos do que qualquer fracasso”.

Quando você é vítima do excesso de pensamento, você silencia a voz de sua paixão. Ser muito duro consigo mesmo porque algo deu errado é inútil.

Mude o diálogo para um que promova a reflexão em vez de se culpar.

Mude sua voz. Deixe de lado os rótulos e abrace as perguntas. Pergunte a si mesmo: Por que as coisas aconteceram dessa maneira? O que eu aprendi? O que posso fazer melhor da próxima vez?


3. Cerque-se de verdadeiras vozes

Elas dizem que você é a média das cinco pessoas com quem você passa mais tempo. Algumas vozes estão tentando manipular você; as outras são distrações.

Cerque-se de pessoas que respeitem sua voz, mas  que também o desafiem.

Outras vozes podem tornar as suas mais ricas ou mais pobres. Cerque-se de pessoas que falem com uma voz autêntica, respeitando assim as suas palavras verdadeiras.


4. Ouça o seu instinto

Ouvir muitas vozes pode obscurecer seu julgamento ao tomar decisões. É por isso que algumas pessoas têm dificuldade em fazer a ligação com seu eu. Você precisa se reconectar com o seu instinto.

Dê uma Pausa. Tome seu tempo para remover o barulho.

Seu instinto é seu segundo cérebro . Não subestime seu papel. Um instinto parece apenas um palpite.

A evidência concreta é que você nunca sabe se está certo, até depois do fato.

Ouça não apenas o seu diálogo interno, mas também os sinais corporais. Sua voz usa mais do que meras palavras.


5. Confie na sua voz interior

Ouvir sua voz interior não é suficiente. Você tem que confiar nela e torná-la sua. Quando há muito barulho em sua mente, ouça sua voz interior.

Quando sua mente está calma, é mais fácil de se conectar com sua sabedoria interior. É quando a voz do seu diálogo interno, seus sinais corporais e seu instinto tornam-se mais claros do que nunca.

Confiando em sua voz exige prática. Há muito barulho dentro da sua mente, por esse, motivo pratique a pausa, pratique o silêncio. Saia para uma caminhada. Tome alguma distância mental e física do que o incomoda. Aos poucos, sua verdadeira voz começará a sussurrar.

Em caso de dúvida, confie na sua voz interior.

Mas lembre-se: apenas aqueles que não ouvem outras vozes, saem da vala.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: mariasavenko / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.