Você é o meu verso mais bonito

Adoro o jeito que me olha sem freio, que me invade com essas jabuticabas cor de mel. Adoro mais ainda como o mundo para quando você faz isso.

Não sei ao certo de onde você veio, confesso. Quem sabe era eu que nem estava olhando para os lados ou, sei lá, acho até que você veio de cima. Adoro o jeito que me olha sem freio, que me invade com essas jabuticabas cor de mel. Adoro mais ainda como o mundo para quando você faz isso.

Meus olhos lhe enxergam tão bem, mas tão bem, que acho até que você mora aqui dentro, bem dentro da minha retina.

Que loucura essa minha, não é? É que meus olhos quando procuram os seus, e isso acontece o tempo todo, eles se voltam para dentro, nunca para o lado de fora.

Você mora aqui dentro desde muito tempo, antes mesmo de percebê-la fisicamente. Aquele encontro de alma, sabe como é? Quando a vi já sabia quem você era e foi demasiadamente tranquilo esse processo. Adoro como você escuta minhas filosofias sobre o amor – como essa de que você já morava em mim.

Você me respeita, respeita minha necessidade absoluta de falar sobre isso, sobre como você me tira o chão e me coloca na nuvem mais longe da terra, mais perto de Deus.

Adoro como você ouve atentamente, como questiona os detalhes dos meus devaneios, quer saber mais, mais e muito mais sobre mim.

E eu respeito sua preocupação com o mundo, muito embora saiba que o mundo é mais difícil do que a gente imagina. Gosto do seu olhar de afeto para o umbigo do lado, como consegue enxergar o outro mais do que o próprio outro.

Adoro como você tem sempre resposta para tudo, como conversa com meu pai sobre política e o desafia a pensar mais e melhor sobre o caos de Brasília. Gosto mais ainda quando ele lhe explica coisas sobre história e como você o olha atentamente querendo conhecer sobre as tribos nômades ou a queda do império romano, enquanto eu agradeço baixinho pela sua existência.

Adoro como cada pedaço seu encaixa em mim. Adoro como suas mãos tocam meu rosto e estacionam sem pressa nos meus cabelos.

Adoro seu riso fácil e aberto, seus dentes perfeitos e como sorri sem graça quando lembra que sou fascinada em um sorriso com cara de milagre.

Gosto do que você é, de como é e da forma astuta com que conquistou tantas coisas por meio do seu dom absoluto de cuidar das pessoas. Adoro como sua missão faz a diferença na vida de tanta gente e como você acha isso tudo normal e “nada mais do que a sua obrigação”.

Adoro a forma como você chegou e mais ainda o jeito delicado com que permanece ao meu lado. Gosto do seu minimalista abraço sem fim e de toda a sua compreensão sobre mim. Adoro como você devora um iogurte com granola como se fosse uma pizza quatro queijos. E de como me ensina a fazer o mesmo.

Gosto do ser humano que você é e de como deseja ser melhor todos os dias. Gosto ainda mais do ser humano que me tornei depois de você. E como o “nós” é poderoso diante da vida, dos sonhos que temos e das possibilidades que enxergamos com afinco.

Esse seu queixo bem desenhado, seu cabelo macio, seu nariz delicado. Gosto da sua cara lavada e de como o sol deixa você mais linda do que o rímel à prova de água que você adora.

Gosto da sua forma afetuosa de tratar a mim e aos meus e de como me permitiu entrar no seu espaço sem regras ou limitações.

Gosto do que estamos construindo e de como você pega junto comigo em cada tijolinho. Adoro seu sono profundo e seu jeito dengoso de acordar pedindo carinho. Adoro como chora sem freio, como ri do meu cabelo bagunçado e de como transforma a minha casa em um lugar sagrado para viver nosso amor.

Você nem sequer sabe a marca do meu carro, pois isso pouco lhe interessa. Mas, sei que já tentou contar minhas pintinhas enquanto eu dormia, que já sabe o nome do porteiro do meu prédio e tudo, mas tudo aquilo que me encanta a alma.

De todas as poesias que dediquei, de todas as rimas que rimei, hoje sei, você é inteiramente o meu verso mais bonito.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: jackfrog / 123RF Imagens



Deixe seu comentário