Você foi a melhor coisa que desapareceu da minha vida

7min. de leitura

Te conhecer foi como viver o final feliz de um conto de fadas. Sabe aqueles filmes em que todo o universo conspira a favor, torcendo para que o casal fique junto? Pois é, essa parte nunca existiu em nossa história. Talvez, porque nunca tivemos tantas coisas em comum, ou simplesmente, porque todos que estavam de fora conseguiam enxergar que as nossas diferenças eram nítidas e que seriam prejudiciais. Mesmo contra o mundo, eu te quis de forma enlouquecedora e cega. E eu não desisti pelos outros, me dói assumir isso, mas você foi responsável por todo machucado que me causou. Foi você quem optou e fez por onde para que tudo desse errado. As pessoas estavam certas, errada sempre fui eu que insistia em colorir uma folha que jamais deixou de ser preto e branco. A culpa foi sua.



Dizem os mais velhos e sábios, que a culpa sempre morre solteira. Por um lado é verdade, mas por outro, sempre acalma o coração quando conseguimos nos livrar dela. Refletindo sobre a vida, a minha conclusão sobre você é apenas uma: antes cedo, do que tarde.

Eu me apaixonei, me entreguei e me prejudiquei. Nessa mesma ordem, sem nenhuma alteração de verbos. Você me encantou, me usou e me largou. Nunca tivemos os mesmos objetivos, mas também, nunca chegamos nessa etapa. Eu sonhei compartilhar com você as minhas conquistas, derrotas, fracassos e forças, mas você não sonhava nem mesmo quando estávamos na mesma cama. Os seus dedos ariscos percorriam as teclas do celular, enquanto as minhas mãos brincavam no seu corpo. Era fácil você ter uma pessoa ao seu dispor, quem não gostaria? Independente do que prosperamos para o nosso amanhã, ignorantes são aqueles que perdem grandes oportunidades, por não conseguirem nem olhar nos olhos.

Não é porque você não teve as mesmas intenções que eu, que você tinha o direito de brincar com o que eu sentia por você.  Isso é imaturo, é muito pequeno diante da imensidão que eu te ofereci rodeada de amor. E não venha me dizer que você não sabia. Até mesmo quem me via andando nas ruas sem destino, sabia sobre você. Eu só sabia falar sobre você, escutar a sua música, contar algo que vivemos ou reclamar sobre as suas burradas sem fim. E mesmo depois que terminamos, aliás, que você terminou, você ainda continuou sendo a minha refeição preferida em uma mesa rodeada de amigos. Hoje eu consigo perceber o quanto era ridículo eu deixar o prato esfriar, por não conseguir controlar a língua na boca quando alguém me perguntava sobre você. Sinceramente, eu sinto vergonha por ter gostado de uma pessoa tão mesquinha, tão oposto de tudo o que eu desejava e merecida.


Mas a vida ensina, pode até demorar, mas entre tropeços e arrependimentos, o meu maior acerto foi te deixar partir. Eu chorei, sofri, gritei, bebi e achei que fosse morrer, assim como qualquer pessoa que termina um relacionamento. Eu nunca deixei de seguir em frente, com ou sem você na cabeça. Você permaneceu por um longo tempo ainda no meu subconsciente. Eu te encontrava em alguns lugares que fomos, e em outros que eu quis ter te levado. Eu imaginei como seria viver um momento importante ao seu lado, mas a decepção era grande quando eu caia da cama e comprovava que você é pouco demais para contribuir na minha felicidade. Você nunca se importou, sempre olhou o próprio umbigo e se baseava nele para decidir qualquer bifurcação. A sua escolha nunca foi eu, muito menos a sua prioridade.

Existem momentos de nossa vida em que oramos e perguntamos o porquê as coisas não acontecem como queremos. Perguntamos em voz baixinha o porquê não conseguimos mudar as pessoas. Questionamos sobre o nosso jeito, características e defeitos. Por muitas vezes, pegamos a tal da culpa para nós com finalidade de confortar as próprias lágrimas. Abrimos mão do que almejamos pelo outro. Somos bobos, a paixão nos deixa assim. Irracionais ao ponto de depositar a felicidade em um desconhecido que julgamos ser o amor da vida. Amores vem e vão, mas eles não causam tanta dor assim. Ninguém escolhe partir, se deseja ficar. Ninguém machuca, se deseja te fazer sorrir. Tudo acontece simultaneamente, o amor acontece, os gestos e atitudes são benéficas e recíprocas.

Você ao menos sabe o que é reciprocidade?


Eu perdi as contas sobre quantas vezes eu te liguei e você não atendeu. Quantos foras eu levei. Quantos cortes você me deu em público. Eu perdi as contas, quantas vezes eu tentei te abraçar e você se esquivou. Em quantos beijos de verdade que você transformou em selinho. Eu já nem sei quantas vezes você me ignorou, ou quantas vezes me evitou. São questões que não tem mais nenhuma importância, agora que eu compreendi que você fez tudo isso por apenas uma resposta: porque você quis ser assim, você quis fazer dessa sua forma. Você escolheu como deixar as suas marcas. É lastimável pensar que podemos deixar registrado o nosso melhor, e ainda existem pessoas como você, que optam por marcar com o pior.

No livre arbítrio, onde uns saem vencedores e outros derrotados, eu sou aquela que foi derrotada, mas me tornei uma vencedora.

Se você não tivesse saído da minha vida dessa forma tão grosseira, talvez eu ainda continuasse babando por alguém que nunca me deu um copo de água. Espero que você também colha bons frutos de tudo isso, porque a vida sempre está disposta a ensinar quem deseja aprender. Caso contrário, você continuará miserável das próprias escolhas.

Seja feliz, e vai se prejudicar.

Adeus.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

* Matéria atualizada em 11/04/2017 às 5:42






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.