Você tem consciência do tipo de vibração que emite pela fala?

Você fala muito ou é do tipo observador? Você tem consciência do tipo de vibração que emite pela fala?

O mundo é dos faladores, a mídia é “falante” e valoriza os falantes. Vivemos em uma sociedade onde a fala é muito valorizada. O discurso ficou mais importante do que a prática. Como a fala é a forma pela qual nos comunicamos uns com os outros é compreensível que seja assim.



Pela fala podemos transmitir amor, ternura, carinho, conhecimento, delicadeza, poesia, gratidão, tranquilidade, energia positiva, mas também raiva, rancor, agressividade, impulsividade, incoerência, hipocrisia, desconhecimento, ignorância.

E o excesso da fala pode nos deixar acelerados. Se você é professor ou palestrante sente na pele o desgaste causado pela fala, após terminar uma aula ou palestra. Ao mesmo tempo em que é revigorante, porque recebemos energia, também é desgastante, porque doamos energia.

Você já observou em que momento da conversa as discussões ficam acirradas e podem partir para agressão física? É na comunicação agressiva, rude, desrespeitosa, porque isso normalmente mexe com o nosso ego, com o nosso equilíbrio, por entrarmos na mesma vibração da palavra dita.


Muitas vezes explodimos porque escutamos uma palavra, e a interpretamos como uma ofensa. A forma como somos abordados, as palavras e a intenção (energia), faz toda a diferença.

Então, muitas vezes falamos demais, falamos sem pensar, desconectamos do nosso eu interior, e ficamos desequilibrados, porque tomamos o caminho contrário, ou seja, ficamos identificados com o que é falado, que não necessariamente corresponde ao que somos.

No ambiente de trabalho, ou na família, ou na sala de aula, sempre tem alguém que fala demais, e por isso mesmo, faz de menos. Esse é um extremo. Talvez a tagarelice não dê espaço ao fazer. E como essa pessoa é vista? Algumas vezes, pode ser vista como alguém que “só tem papo”, porque não faz o que fala, e por algum motivo está tentando convencer alguém de alguma coisa pelo discurso. Isso na filosofia se chama retórica, significa falar bem e transmitir ideias com convicção e clareza, mas não necessariamente significa que aquilo que se fala é verdadeiro ou real. Mas somente palavras e ideias.

Conhecemos muito bem essa prática na política. O candidato fala muito bem, se porta bem, se apresenta muito bem, se relaciona muito bem, mas na hora de cumprir a promessa de campanha, não faz absolutamente nada do que prometeu. Fomos seduzidos pela aparência e discurso. Por outro lado, muitas vezes desacreditamos de outro candidato que se apresenta de forma menos elaborada, que fala menos, mas que já realizou e poderia realizar muito mais.


Quem é honesto não precisa provar a honestidade pela fala, mas pelas atitudes. Esse é um dos motivos que me fez avaliar a aparência e a fala das pessoas, e sempre tentar ir além.

Porque muitas vezes, mesmo que intuitivamente eu perceba que existe algo de mentiroso na situação, eu fico seduzida pelo discurso e pela aparência da pessoa, e me engano, acreditando nela. E no fim, o combinado não acontece porque o acordo ficou só na aparência e na fala.

Hoje, é difícil encontrar pessoas que mantêm a palavra daquilo que promete e fala. Tanto que é comum dizer para alguém “ Vai lá em casa pra gente conversar”, mas não se passa o endereço, nem o telefone. Ou seja, a fala aconteceu somente para ser agradável e sociável, pois o que foi dito não tem validade.

Os quietos são considerados estranhos, até traíras, porque não se expõem. É a era da extroversão, da exposição, das redes sociais.

Se você conhece algum templo budista, hindu, ou fez algum tipo de meditação pode imaginar que os mestres valorizam o silêncio, ensinam através dele, justamente porque o silêncio nos permite olhar para nosso interior. Teria sido Jesus um tagarela? Acredito que não, embora tenha ensinado por parábolas.

Um exemplo prático e comum: uma mãe que fala o tempo todo para o filho arrumar o quarto, não deixar a toalha molhada na cama, desligar a TV…e nada, o filho nem dá bola. Então chega o pai e só olha para a criatura, e é atendido imediatamente. A conclusão é que provavelmente quem fala menos, insiste menos com o filho, mas faz o que fala, é considerado mais severo, ou crível. E por isso é atendido. E aquele que fala muito, insiste muito, e acaba não fazendo o que fala, não tem crédito com a criança.

E você, o que está transmitindo com a sua fala? Desejo que transmita o que tem de melhor em você. Um degrau por dia, um dia de cada vez.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123/RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.