Notícias

“Vou compartilhar meu lado da história”. O golpista do Tinder reagiu ao documentário da Netflix

capa site Vou compartilhar meu lado da historia o golpista do Tinder reagiu ao documentario da

O acusado de aplicar golpes em mulheres conhecidas pelo aplicativo de encontros alega que as informações no documentário “The Tinder Swindler”, na Netflix, são falsas.

Com o lançamento do documentário “The Tinder Swindler”, na Netflix, em fevereiro deste ano, a história do “golpista do Tinder” ganhou ainda mais destaque nas mídias do mundo inteiro. Contamos a história na íntegra aqui, além de alguns desdobramentos.

Ainda com a conta ativa no Instagram, Shimon Hayut, que usa o nome Simon Leviev, usou as redes sociais para contradizer todas as acusações que sofreu no documentário da Netflix. Assim que a produção ganhou destaque, muitos usuários acharam o protagonista na plataforma, inundando suas fotos com comentários sobre o caso.

Apenas algumas horas depois do “burburinho”, a conta de Simon Leviev acabou foi removida ou excluída do Instagram. Antes de apagar a conta, ele chegou a se manifestar, explicando que se realmente fosse uma fraude, deveria ter sido preso enquanto rodavam o documentário, e que era hora de os “senhores começarem a dizer a verdade”.

Shimon ainda disse que, como não ofereceu aos outros o mundo que desejavam, eles queriam transformar o dele “em um inferno”, mas que iria se dirigir a todos na sexta-feira, e pediu que marcassem os amigos para assistir ao seu comunicado. Segundo reportagem do Insider, antes de remover a conta, ele postou um story escrito: “Diga meu nome #simontruth”.

2 Vou compartilhar meu lado da historia o golpista do Tinder reagiu ao documentario da Netflix 1

Direitos autorais: reprodução Instagram/ @simon_leviev_official

A equipe de reportagem do Insider entrou em contato com a equipe do Instagram para saber se a conta dele tinha sido removida ou se o próprio Simon foi quem desativou por conta própria. A Netflix chegou a convidá-lo para participar do documentário, mas ele se recusou, enviando apenas uma mensagem de áudio, acusando a equipe de difamação e afirmando que ia processar os envolvidos.

Logo depois do lançamento do “The Tinder Swindler”, a Variety conduziu investigações internas com o Tinder e alegou que Simon Leviev não está mais ativo no aplicativo, nem com esse nome ou com qualquer outro pseudônimo que já tenha criado. Na mesma semana, ele chegou a informar que sua conta do Instagram tinha sido hackeada e no dia seguinte ainda agradeceu ao “apoio” que estava recebendo dos seguidores, alegando que ia contar o seu lado da história e que estava apenas analisando uma maneira respeitosa de compartilhar tanto para as pessoas envolvidas quanto para si mesmo.

A conta tinha desaparecido, mas depois de alguns dias foi reativada, com inúmeras postagens do rapaz, que ainda se identifica como Leviev. O sobrenome foi adotado quando mentia às suas vítimas, dizendo que era filho do magnata de diamantes Lev Leviev. Agora, novamente, a conta foi removida da plataforma, mas ainda não se sabe se foi uma medida adotada pelos desenvolvedores ou se foi apenas uma opção dele mesmo.

Golpes

Simon Leviev foi acusado de aplicar golpes em inúmeras mulheres que conhecia pelo Tinder, passando-se pelo filho de Lev Leviev e ostentando um estilo de vida invejável e luxuoso. O Instagram era uma das plataformas utilizadas por ele para compartilhar um pouco de sua rotina, apontada como falsa pelo documentário. Com fotos no mundo todo, em jatos particulares e roupas de grife, ele fazia com que as vítimas acreditassem ser aquela sua realidade.

3 Vou compartilhar meu lado da historia o golpista do Tinder reagiu ao documentario da Netflix

Direitos autorais: reprodução Instagram/ @simon_leviev_official

Depois de conquistar as vítimas, ele supostamente passava a aplicar pequenos golpes, pedindo dinheiro e informando que estava correndo grande perigo. De acordo com as mulheres envolvidas que apareceram no documentário, ele afirmava que o motivo eram seus muitos inimigos por conta do pai, e a mentira seguia assim, porém ele usava o dinheiro que pegava com outras mulheres, conquistando-as em um sistema ponzi, semelhante ao esquema pirâmide.

0 %