Estudos mostram que pais ainda perdem o sono se preocupando com filhos adultos

A função de pai e mãe não acaba quando os filhos se tornam adultos e independentes.

Somos programados pela natureza para cuidar deles, não importa quantos anos tenham. Sempre zelaremos por seu sucesso, felicidade e saúde, e nunca deixaremos de nos preocupar.

Um estudo realizado na Universidade do Estado da Pensilvânia mostra que essa preocupação não é exagero, nem coisa da nossa cabeça, mas que realmente faz parte de nossa natureza de pais e permanece até depois que os filhos crescem.

Amber J. Seidel conduziu o estudo, que se concentrou em pais de filhos adultos. Os resultados mostram que mesmo na vida adulta, os filhos ainda preocupam. Um resultado interessante, mas que não surpreendeu Seidel, que já sabia da preocupação constante dos pais.

A pesquisa foi realizada com 186 casais e usou uma escala de 1 a 8 para determinar a quantidade do nível de apoio que os pais oferecem aos filhos, 1 simbolizando um apoio diário e 8 uma grande ausência, apoio uma vez ao ano.

Também foi estabelecida uma escala de estresse de 0 a 5. O 5 representava alto nível de estresse, enquanto o 0 representava total calma. Todos os pais tiveram seu sono monitorado. As mães dormiam 6.66 horas por noite, e os pais 6.69 horas. Depois de todas as informações coletadas, as medições foram então comparadas.

O sono dos pais foi afetado quando se esforçaram para sustentar os filhos adultos. No entanto, quando as mães eram responsáveis pelo apoio financeiro, não houve mudança. As mães, pelo contrário, perdiam o sono sempre, independentemente de estarem ou não sustentando os filhos.

Pelo que o estudo mostrou, cuidar dos filhos adultos é uma tarefa que cansa. Os pais ficavam exaustos ao dar apoio e as mães têm a preocupação constante, mesmo que não sejam mais responsáveis por sustentá-los.

Essa pesquisa mostra que os pais estão muito ligados às vidas dos filhos, talvez até mais do que o saudável. Para que isso não se torne pior, Amber aconselha os pais a estarem conscientes do tipo de apoio que oferecem aos seus filhos.

Será que estão os incentivando a serem pessoas melhores? Será que estão sendo controladores ou incentivando os filhos a serem dependentes demais?

Os pais devem confiar na capacidade dos filhos de seguirem as próprias vidas e permitir que tenham suas experiências e responsabilidades. Incentivar a independência dos filhos não significa se afastar. Eles estarão sempre presentes, de longe ou de perto, mas aliviarão a pressão em seus corações e permitirão que os filhos descubram o mundo por conta própria. Isso é saudável.


Compartilhe este estudo com outros pais que precisam receber essa mensagem.



Deixe seu comentário