ColunistasO SegredoRelacionamentos

Impossibilidade afetiva…

IMPOSSIBILIDADE

Amor e afeto são artigos de luxo na roda dos relacionamentos. São sentimentos, que jamais deveriam ser cobrados, muito menos exigidos, apenas oferecidos de forma terna e genuína. No entanto, infelizmente, esperamos dos outros muito mais do que eles tem a nos oferecer.



A impossibilidade da troca de afeto não é uma alternativa, mas uma condição nem sempre assumida (ou reconhecida) pelo indivíduo. Nem todos possuem a integridade, ou o autoconhecimento suficiente par reconhecer tal incapacidade.

E assim, nos encontramos, na passiva zona de conforto esperando por algo que, provavelmente, não virá, mas continuará a nos atormentar por sua ausência.

Nesse momento é que deveria despertar a autoestima pessoal. A condição de ouvir e receber do mundo o que se gostaria (e se merece), a fim de se tornar o ser ativo, atuante e vivo da relação.


Permanecer (ou, não) em uma relação que não nos completa, ou, que simplesmente, é carente em algo que avaliamos como um valor muito importante – como o amor e o afeto – consiste numa grande responsabilidade pessoal. Pois tudo tem seu preço, e você deve estar consciente de que uma hora essa conta chegará.

Sim, você pode aceitar essa situação. E, viver muito bem com o que lhe é ofertado de forma honesta e integra com seu par seja ele amoroso, amizade ou familiar. No entanto, se você mentir, ou tentar se enganar, estará assumindo uma grande punição, que irá lhe desgastar e causar possíveis sofrimentos desnecessários ao longo do tempo.

Lembre-se, que o amor deve ser uma via de mão dupla e exige jogo limpo. Cada um só dá o que tem, mas a questão é você estar de acordo com o que está disposto a receber. Então se faz sentindo para você, escolha um caminho e não olhe para trás.


E foi reaprendendo a se amar… Deleta daqui, arquiva dali… E assim segue…

Artigo Anterior

Quando o amor não basta…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.