Família

Mãe desabafa em rede social sobre suicídio da filha

capaNao consegui evitar o suicidio da minha filha de 24 anos
Comente!

A jovem de 24 anos passava por um grave quadro de depressão.

Com o passar dos anos, tivemos um aumento nos casos de depressão no Brasil e no mundo, diariamente observamos notícias de jovens e adultos perdendo a batalha contra a depressão e tirando a própria vida.

Sempre considerada como “frescura”, essa doença é cada vez mais debatida em vários cenários da sociedade, como escolas, filmes e por meio de ações sociais de grupos de apoio e vários outros.

Ana Luísa, de 24 anos, foi uma das inúmeras vítimas da depressão. A filha da produtora de eventos Ana Rosa Augusto infelizmente não resistiu à batalha contra a depressão. Num relato postado nas redes sociais, a mãe chegou a comparar a doença como um câncer, em que o paciente infelizmente não escolhe ter a doença, mas precisa fazer de tudo para lutar e vencer a batalha.

Em um desabafo em forma de despedida e agradecimento pelas mensagens recebidas depois da morte da jovem, Ana Rosa pontuou vários fatores e histórias que explicam sobre a vida e a morte de Ana Luísa.

Terminando a faculdade de Fashion Design, foi nessa época que a família conseguiu identificar os primeiros sinais do quadro crítico de Ana. No início, a família pensava ser um estresse rotineiro por conta do trabalho de conclusão de curso (TCC), mas um tempo depois, a família precisou levar a jovem a um profissional da saúde por conta dos recorrentes desmaios, dor forte no peito e falta de ar.

2Nao consegui evitar o suicidio da minha filha de 24 anos

Direitos autorais: Facebook / Ana Rosa Augusto

Depois de se graduar no curso tão desejado, Ana Luísa começou a apresentar um agravamento em seus sintomas, mesmo tomando alguns medicamentos e todos os exames dando negativos para algum tipo de distúrbio na tireoide, a família começou a se preocupar e decidiu então levar a filha a um renomado psiquiatra. O médico deduziu que os ataques de pânico pudessem ser passageiros por conta das festas de fim de ano e outros fatores. Nesse momento, Ana iniciou um tratamento multidisciplinar, utilizando remédios mais fortes consorciados com o auxílio da terapia.

Para o tratamento ser um sucesso, o paciente deve se identificar com o terapeuta e manter uma relação de segurança e confiança, conseguindo se abrir e revelar todas as feridas que possam estar causando esse grave quadro, e foi exatamente isso que aconteceu com a jovem. Com um bom tempo de tratamento com outros profissionais, a família encontrou uma psicóloga com quem Anne (apelido carinhoso utilizado pela mãe) conseguiu se abrir sobre os sentimentos ruins que a rondavam.

Nos últimos dois anos, a psicóloga acompanhou Ana, que a essa altura já tinha sido identificada com depressão profunda e todos os agravantes psiquiátricos da doença. A designer de moda também fazia acompanhamento terapêutico com uma naturóloga e, como procurava manter a cabeça ocupada, chegou a concluir um curso de Estamparia na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), na cidade de São Paulo.

Ana Rosa começou a desconfiar de que algo havia acontecido anos atrás e teria desencadeado a doença da filha, segundo a própria. E foi como um instinto materno, semanas depois, a pedido da própria filha, que a psicóloga a chamou para conversar e revelou o difícil trauma vivido pela moça aos 10 anos, no colégio particular onde estudava.

Um rapaz de 16 anos passou a abusar sexualmente da menina quando ela entrou no colegial e passou a conviver com os meninos mais velhos. O abuso durou cerca de seis meses, segundo o relato de Ana Luísa. Esse rapaz ameaçava matar seus pais, caso ela contasse para alguém sobre os abusos. A mãe se culpa por não notar na época a mudança na personalidade da filha, como vestir roupas de meninos e se recusar a frequentar as aulas de educação física. O fato infelizmente só foi evidenciado 10 anos mais tarde.

Encerrando o seu relato, a mãe deixa claro que Ana em nenhum momento foi fraca, pelo contrário, ela lutou com bastante garra e apenas encontrou uma maneira de colocar um fim nos seus medos e pensamentos, ela encontrou a paz. Ana Rosa ainda diz que não sabe distinguir se sentiu mais dor vivenciando a dor diária da filha ou a dor da sua morte, e finaliza com a frase: “Sonhos não terminam, apenas adormecem”.

Segundo o site do governo da Bahia, um suicídio acontece a cada 40 segundos no mundo, várias vidas são perdidas em questão de horas, os fatores são variados e todos singulares, mas o principal motivo sempre é a angústia de se sentir deslocado e não conseguir compreender os confusos sentimentos.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) oferece apoio emocional e prevenção do suicídio. Se você está passando por alguma dessas situações, ligue 188!

Comente!

Coruja gigante vista pela última vez há 150 anos reaparece na África

Artigo Anterior

Um ano após a morte de Eduardo Galvão, Helena Fernandes e Helena Ranaldi sofrem

Próximo artigo