publicidade

O poder das escolhas…

Quando a vida nos coloca uma oportunidade, sugerindo deixarmos o estado de segurança e conforto em que nos encontrávamos, fazer uma escolha pode não ser algo simples.

A proporção da mudança será maior ou menor segundo seja a disposição do ser em correr riscos.



A natureza nos dá um ótimo ensinamento em relação às mudanças, pois tudo nela se encontra em mutação e transformação. As estações do ano, a transformação de uma lagarta em borboleta, a gestação e o nascimento de uma criança. E falando em natureza, observe: para colher rúcula, 35 dias… Para colher tomates, 3 meses… Para cada escolha, um tempo…

Em toda escolha há perdas e ganhos, portanto, uma escolha é também uma renúncia.

Parece algo complexo, mas podemos trazer isso para o nosso dia-a-dia. Estudos mostram que, em média, 70 decisões são tomadas em um dia comum, ou seja, estamos fazendo escolhas a todo momento, escolhemos o que comer, que roupa vestir, o modo como nos comportaremos, o que vamos falar, e de que maneira falar. É claro que se pode classificar as escolhas mediante seu grau de complexidade, tendo-se em conta o tamanho de sua repercussão na vida.


Há escolhas que podem mudar completamente o rumo de uma trajetória, assim como há escolhas que não influenciam tanto assim.

No entanto, as nossas escolhas fazem sermos quem somos, as somas delas formam a imagem deste ser do momento. Tendo-se consciência disso é importante perguntar: para onde nossas escolhas de hoje estão nos levando? Elas estão colaborando para sermos quem realmente queremos ser? Para termos o que tanto almejamos ter? A pergunta que pode resumir este raciocínio é: há congruência no que planejamos ser com o que estamos fazendo?

Uma decisão importante e difícil traz em si uma sobrecarga emocional, podemos nos encontrar escolhendo não escolher, mesmo quando isso se refere aos nossos maiores interesses. O chamado “ficar em cima do muro”. E ficar em cima do muro é em verdade escolher, escolher permanecer onde se está, procrastinando e estando propenso ainda, a não ter em conta que esta também é uma decisão. Corremos o risco de deixarmos o barco da nossa vida à deriva, esperando que a corrente nos leve para onde levar, é como largar o volante do nosso carro em movimento.

É impossível prever todas as implicações de uma escolha, ainda que queiramos, principalmente porque uma escolha reverberará no universo e na vida de muitas pessoas, além de nossa própria vida. Contar com a intuição e ouvir o coração pode ser um bom auxílio ao tomar uma decisão. Podemos fechar os olhos e nos imaginar nas realidades em que as opções nos colocam. Buscando sentir o coração, podemos observar quais sensações teremos diante de todas as possibilidades em que estamos nos projetando e em qual delas nos sentimos mais plenos e felizes. É importante ao decidirmos, estarmos completamente convencidos de que fizemos a melhor escolha e com isso conseguiremos então curtir a jornada e as novas surpresas que a vida nos trará, mediante o decreto de nossa vontade.


Independentemente do que eu e você escolheremos, a principal e mais importante escolha que podemos fazer hoje para a nossa vida é a de sermos felizes, seja qual for as circunstâncias em que nos encontrarmos, as alegrias ou dificuldades que tenhamos… E que não esqueçamos…

O vento das mudanças nos trará sempre a oportunidade de fazer novas e diferentes escolhas…

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.