5min. de leitura

CIÊNCIA DIZ QUE OS CÉREBROS DOS PIANISTAS SÃO MUITO DIFERENTES DE TODOS OS OUTROS!

O piano é um belo instrumento. Os pianistas muitas vezes soam misteriosos; essas pessoas passam horas e horas praticando escalas e repetindo frases para alcançarem a perfeição. Para o espectador, o efeito pode ser semelhante a ver um truque de mágica ou uma apresentação de balé: é tão hábil e bonito que quase parece impossível, uma façanha dos Deuses.


Mas o que acontece sob todo esse trabalho duro e magia? Certamente não é sorte.

Os cérebros dos pianistas trabalham diferentemente até mesmo dos cérebros dos músicos. E isso é tudo por causa do instrumento que estão tocando. O piano faz com que eles e seus cérebros sejam únicos.

Eles são mais equilibrados

Pianistas nascem (assim como todos nós) com um lado do cérebro sendo favorecido mais do que o outro. Isso não é incomum; a diferença é que os pianistas começam a praticar usando ambas as partes do cérebro quando dominam o uso de cada mão enquanto tocam.


Se uma mão fosse mais fraca do que a outra, tocar piano não funcionaria. Esta necessidade de praticar e dominar ambas as mãos significa que o cérebro efetivamente se equilibra. Com a prática, apesar de cada pianista ter uma mão naturalmente mais forte quando começa, no momento em que se torna um especialista, a mão mais fraca é reforçada no mesmo grau que a mais forte.


Têm mais facilidade com multitarefas

Pianistas também criam uma ligação entre os seus lobos frontais mais facilmente. Mas o que isto significa?


Basicamente, esta parte acessível do cérebro contém controle de respostas emocionais, comportamentos sociais e até mesmo impulsos, por isso é útil ter acesso a ela mais facilmente do que a maioria.

Isso também significa que os pianistas são mais susceptíveis a ter uma resolução de problemas e habilidades multitarefas mais fortes, e ser capazes de alcançar sua criatividade com maior facilidade, também.


Eles são mais livres para expressar seu eu autêntico

Um estudo da Dr. Ana Pinho descobriu que ao tocar, os pianistas bem treinados desligam a parte do cérebro que oferece respostas cerebrais estereotipadas. Isso permite que eles mostrem a verdadeira expressão de quem são e o que querem “dizer” com sua música. (Esta pode ser uma habilidade muito útil se transferida para a vida e situações cotidianas.)


Eles são capazes de usar a energia do seu cérebro de forma mais eficaz

Menos energia é usada na seção de habilidades motoras do cérebro. Parece que uma vez que você dominou seu ofício, seu cérebro simplesmente precisa de menos sangue e oxigênio enviado para esta seção, liberando energia para outras partes, como conexão emocional com a música.


Eles são bons em conversar (embora não em uma linguagem que estamos acostumados a usar todos os dias)

No estudo do Dr. Charles Limb, quando os pianistas improvisam, descobriu-se que as partes do cérebro contendo o centro da linguagem se iluminam inesperadamente. Apesar de ser uma habilidade de motora, quando fazem isso, os pianistas estão realmente conversando uns com os outros!

Então é isso! Basicamente, pianistas são incríveis! Incentive alguém a experimentar tocar apenas cinco minutos por dia, se você já tem um piano ou teclado. Quem sabe, você pode se tornar o próximo Rachmaninov, ou mesmo Chopin. Ou você pode simplesmente lembrar onde colocou as chaves do carro.

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Life Hack





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.