25 aprendizados que tive com um término ruim:



Esses dias estava na minha varanda tomando meu rum, enquanto olhava para o céu – isso se tornou uma das coisas mais prazerosas da minha vida – e me veio à cabeça todo o caminho que trilhei desde minha última desilusão amorosa.

Com isso, resolvi fazer uma listinha de tudo que aprendi com a batalha inesperada que me pegou despreparado quando tudo aconteceu lá atrás, quando verdadeiramente amei alguém.

Todo o processo de cura e os aprendizados que vieram com o fim. Tudo, exatamente tudo; como um filme na mente.

Acredito que as coisas têm uma razão de ser e o universo age de maneira incrível quando aceitamos e nos damos a chance de aprender as lições dos acontecimentos da vida.

Lá vai a listinha:

1 – A dor é inevitável.

Dói demais. Fechar portas e ter portas fechadas na cara dói a alma, dói o espírito. É uma dor que arde no peito e faz o sangue borbulhar nas veias.


2 – A dor passa.

Uma hora passa. Ela não dura para sempre. Por isso é bom não estancar o sangramento. Deixe que sangre até que uma hora passe.


3 – O tempo é o melhor aliado.

E como é! É clichê falar que só o tempo cura um coração partido, mas a citação é bem verdadeira.


4 – Você vai ter vontade de avançar os ponteiros.

Ok. Você já se deu conta que o tempo cura. Daí, vai querer avançar os dias e os meses até se ver curado totalmente. Verdadinha absoluta.


5 – Você vai encher a cara.

Isso é BAU – bussiness as usual. Lei da vida. Seja com amigos ou sozinho, vai querer encher a cara e afogar as mágoas. Algumas vezes é bom, só não virar alcóolatra e usar isso como fuga sempre.


6 – Você vai querer namorar a primeira pessoa que mais lembrar o/a seu/sua ex.

Mas sério, não cai na besteira de fazer isso. Criar uma ilusão para maquiar uma desilusão só causa uma possível desilusão dupla. Entendeu o trocadilho de palavras? Uma hora vai perceber que aquela pessoa não é seu/sua ex. Na verdade, não namore ninguém enquanto não estiver verdadeiramente pronto para ser honesto e cair de corpo e alma em um novo relacionamento, ok? Ok.


7 – Você não era você mesmo/a no antigo relacionamento.

Quando namoramos ou nos relacionamos com alguém, é normal mudarmos algumas atitudes e modo de pensar e, às vezes, acabamos nos suprimindo demais para agradar a outra pessoa. No término você se redescobre. É tão instantâneo e absurdo que parece até mágica.


8 – Você passa a se valorizar mais.

Isso é real. Você passa a ter uma perspectiva muito grande do seu real valor e, principalmente, do seu merecimento.


9 – Novos planos, novos ares.

Descobre tanto seu valor e suas reais vontades que redefine sua vida inteira. Enxerga novas mil possibilidades e resgata sonhos antigos, além de criar novos


10 – Amigos que não via há muito? Voilá!

“Vai me aguentar de novo, sim! E se reclamar, vai me aguentar 2x!”


11 – Você não vai consertar ninguém.

Aprender com erros, ok. Mas não existem culpados. Não existem defeitos. Cada um é cada um e, se não deu certo é porque não era para ter dado. Uma hora dará com a pessoa certa. Mas, não existem “ses”, não existem “eu consertaria isso ou aquilo nele ou em mim”.




 12 – Você é feliz por si mesmo/a.

“Completar” e “complementar” são verbos diferentes. Alguém pode te complementar, mas você já é completo e isso basta para ser feliz.


13 – Você nunca deve implorar o amor de alguém ou forçar estar com alguém.

Sabe sentimento fingido? Emoções e ações forçadas? Então, não rola. Quem fica, fica porque quer. Quem faz, faz porque sente ímpeto de fazer.


14 – Você nunca vai saber ao certo o que se passa na mente do outro.

Podem existir mil hipóteses e você pode se perder nas histórias que você mesmo cria até fazer um emaranhado de palpites e enlouquecer, mas você nunca realmente vai saber o que se passa na cabecinha do outro ser.


15 – A intuição é sua arma mais poderosa.

Não sabe usá-la? Reconecte-se com seu coração e aprenda a ouvi-lo. Ele mostrará a você o melhor caminho.


16 – Nada vai fazer sentido.

Nenhuma peça vai se encaixar nesse quebra-cabeça chamado “guerrinha de ex contra ex”. O melhor é deixar ir mesmo e não ficar tentando achar sentido onde não existe.


17 – O fim pode levar o outro – e você – a fazer e dizer coisas bastante horríveis.

Sabe a “guerrinha de ex contra ex”? Então, nela você se pega fazendo e dizendo coisas só para machucar o outro e se sentir “por cima da carne seca”. Não vale a pena. Chega uma hora que você realmente vai ver – e sentir – que deixar ir é o melhor.


18 – Você não é backup de ninguém.  Valorize.


19 – Quando você achar que estará superado, a dor volta pior.

Você vai sofrer bagaray, de novo. Daí, vai passar mesmo.


20 – Terapia holística ajuda. Terapia normal também.


21 – Contatinhos.

Antigos e novos. Você vai se sentir absurdamente desejado e querido. Vai descobrir que esse tempo todo em que esteve num relacionamento, tinha gente no banco de reserva aguardando chegar sua vez.


22 – Era uma vez o tempo… de novo…

Tenha 500 contatinhos, mas, se não se sentir preparado/a ainda, melhor deixar as coisas fluírem naturalmente até uma nova pessoa bacana surgir e virar seu mundo de ponta cabeça. Você não é obrigado a namorar de novo só para estar por cima da situação e mostrar que superou, isso é bem imaturo e non sense, na verdade.


23 – Curtir é ok.

Mas não se envolva e não dê esperanças aos outros até estar certo do que quer e 100% curado. Não brinque com os sentimentos dos outros. Ser usado é péssimo! Do mais, sair, ver gente, viajar, hobbies, beijar na boca, ser feliz, pelo amor de Deus!


 24 – Você é o ser mais maravilhoso e mais importante que existe.

Só é preciso  reconectar-se consigo mesmo para que esse sentimento venha à tona. E, sério mesmo, nada é mais legal que ser você por você mesmo, sem máscaras e barreiras.


25 – Você vai amar de novo.

E vai amar de uma maneira diferente – e melhor – que o seu amor antigo. E finalizo: você vai ser a pessoa mais feliz do mundo novamente.

PS: Texto escrito por um sagitariano louco, com Vênus em Aquário, bem desapegado da vida… sqn.

______

Direitos autorais da imagem de capa: logoboom / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.