10min. de leitura

Como estamos confundindo o amor-próprio com o narcisismo:

Para uma mentalidade saudável, é de extrema importância que, como indivíduos, aprendamos a nos amar e aceitar. Mas, como em qualquer outra coisa, existe um limite para esse amor. E caso isso se transforme em uma espécie de obsessão, você pode estar lidando com o narcisismo.



Na sociedade atual, é considerado um tabu amar a si mesmo abertamente, o que pode ser confundido com o narcisismo, quando na realidade, trata-se apenas de uma exibição de alta autoestima.

Então, onde fica a distinção? Quando que a boa autoestima e amor próprio viola a curva perigosa do narcisismo?

O amor-próprio é o ato sem remorso algum de aceitar a si mesmo, colocar-se em primeiro lugar, ser orgulhoso e confiante de suas conquistas. Esta é uma mentalidade saudável, ao contrário do narcisismo.

O narcisismo é um transtorno de personalidade onde os indivíduos têm um senso inflado de autoimportância e falta de empatia. Eles acreditam que são superiores à maioria das pessoas, e só podem ser entendidos por aqueles que também são igualmente especiais. Esse senso de prestígio vem com um preço e é incrivelmente delicado.


Aqueles com transtornos narcisistas precisam da reafirmação dos outros, porque sua autoestima é realmente frágil.

Amor-próprio X  Narcisismo

Necessidade de Reconhecimento

Amor próprio: aqueles que têm boa autoestima e praticam esse amor próprio não precisam do reconhecimento por suas realizações. Eles estão conscientes de seus esforços e do seu sucesso, e saber disso é mais que suficiente para se sentir adequado.

Narcisismo: se uma árvore cai em uma floresta e ninguém pode ouvir, ela faz algum som? Se um narcisista realiza algo sem ninguém para testemunhar isso, é verdadeiramente um sucesso? A resposta neste caso é não. Sem reconhecimento e louvor, é como se não conseguissem nada. Isso faz com que a vitória seja vazia, porque eles só encontram satisfação na admiração dos outros.


Reconhecer falhas em si mesmo

Amor-próprio: todos possuem defeitos que os torna únicos. Aqueles que se amam aceitam suas falhas e trabalham para melhorá-las, se necessário. Entendem que estas pequenas peculiaridades são o que os tornam únicos.


Narcisismo: Agem como se não possuíssem defeitos. Em tudo o que fazem, são melhores que qualquer um. Tudo o que eles têm é melhor do que o que você tem. Se alguém perceber alguma falha sua, deve ser um equívoco, porque não há como qualquer aspecto deles  ser nada menos do que perfeito.


Saber quem você é – e estar confortável com isso

Amor-próprio: em vez da autoaceitação, esses indivíduos são totalmente confortáveis sendo eles mesmos, e apreciam quem são e o que têm para oferecer. Eles não sentem que precisam fazer pequenas mudanças para si mesmos ou em suas vidas para alcançar a felicidade, porque já são felizes.

Narcisismo: nunca estão felizes com quem são e o que têm. Muitas vezes fantasiam sobre um estilo de vida, trabalho ou aparência mais ideais. Nunca se sentem realmente satisfeitos com qualquer aspecto de sua vida. Eles pensam que merecem o melhor, mas não fazem esforços para alcançar seus desejos.


A humildade é uma virtude

Amor-próprio: eles têm um forte sentimento de empatia e humildade. Apoiam e encorajam os outros a melhorar e orgulham-se do sucesso dos outros.

Narcisismo: eles não conseguem lidar com o fato de os outros estarem bem. Não podem deixar de sentir ciúmes e encontrarão uma maneira de minar seu sucesso, a fim de sentir que eles ainda têm a vantagem. A frase comum, “a miséria adora companhia”, é muito apropriada nessa circunstância.


Percepção de outras emoções

Amor-próprio: são receptivos às emoções dos outros e podem entender suas lutas e dores. Eles vão oferecer conselhos e assistência, se puderem, e se preocupam genuinamente com o resultado da situação de amigos em dificuldades.

Narcisismo: embora eles possam fingir preocupação, eles realmente não se importam com a luta de outras pessoas. Na verdade, alimentam-se disso. Essa é uma pessoa a menos que está indo bem neste mundo e isso os faz sentir melhor sobre si mesmos.


Percepção de outros como indivíduos

Amor-próprio: a apreciação dos outros é um forte atributo daqueles que possuem uma boa autoestima. Eles veem outros indivíduos como pessoas valiosas e celebram sua existência. Essas pessoas tendem a ser boas amigas, porque elas são incentivadoras e entendem que é preciso todo tipo de pessoa para se fazer um mundo funcional.

Narcisismo: eles não veem os outros como valiosos. O único valor que eles enxergam nos outros é a oportunidade de usá-los para seu próprio benefício. Os narcisistas tendem a cercar-se de outros narcisistas. As pessoas “especiais”. A “elite”. Ninguém mais é digno de seu tempo.


Competitividade

Amor-próprio: com uma boa autoestima, é fácil ver os outros como seus iguais. Cada pessoa é exatamente assim, outra pessoa tentando vencer neste mundo tentando alcançar a felicidade.

É por isso que as pessoas com essa desordem tendem a ter poucos amigos e passam a maior parte do tempo sozinhos.

Narcisismo: os narcisistas sempre precisam estar melhor do que os outros, ou pelo menos deixam a ilusão de que são melhores. Eles prosperam através do domínio e manipulação. Eles não são verdadeiramente felizes, a menos que sintam que estão no controle total. Normalmente, os narcisistas serão atraídos para carreiras e passatempos onde são o centro das atenções. Os narcisistas podem ficar boa parte do tempo sozinhos, já que as pessoas podem identificar seu comportamento tóxico. O narcisismo é um comportamento incrivelmente tóxico e poderá repelir qualquer pessoa de sua vida que possa detectar essas características perturbadoras.

Distorcem essa rejeição dos outros como um motivo pessoal das pessoas.

Porque pensam ser melhores do que todos os outros, e ninguém é digno de seu precioso tempo. Encontre um meio feliz.

Está tudo bem em amar a si mesmo, mas não deixe que isso se torne uma obsessão.

Com a introdução das mídias sociais, é mais fácil detectar os narcisistas, visto que eles se exibem diariamente.

Você conhece alguém que publica várias selfies por dia e está mudando constantemente suas fotos de perfil? Talvez façam isso por reconhecimento.

Querem que as pessoas vejam sua beleza.

As curtidas e os comentários que recebem alimentam a necessidade inata de adoração.

A menos que aqueles que sofrem de certos distúrbios mentais e busquem terapia, é improvável que possam alterar esse comportamento, porque são inconscientes do fato de que são assim.

Esse tipo de reflexão provaria que são imperfeitos; algo que a mente de um narcisista não consegue processar.

 


Como nutrir o amor próprio sem permitir que ele evolua para o narcisismo:

1. Não coloque tanta ênfase em seus atributos externos. 

O narcisismo é incrivelmente superficial. Não se preocupe tanto com a sua imagem e como as pessoas o percebem. Ao contrário, preocupe-se com a percepção de si mesmo e quais qualidades podem ser melhoradas em um nível realista.


2. Não se compare aos outros e ao sucesso deles.

Aprecie seu próprio sucesso e crie objetivos pessoais para trabalhar. As pessoas que obtiveram sucesso tiveram que planejar e trabalhar muito para chegar onde estão. Você alcançará esse mesmo nível de prestígio se você estiver disposto a se dedicar.


3. Não existe como melhorar sua autoconfiança apenas convencendo-se de que você é melhor do que todos os outros.

Porque a verdade é que, dessa forma, você não tem muito a oferecer, além da arrogância. Melhore suas habilidades ou desenvolva novas. Ser um especialista em um assunto ou um mestre de um ofício vai melhorar seu sentimento de realização imensamente. Você será lembrado por suas realizações e desenvolverá a confiança de saber que você é valioso e talentoso.

____________

Direitos autorais da imagem de capa: obencem / 123RF Imagens

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Life Hack

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

* Matéria atualizada em 14/06/2017 às 6:08





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.