ColunistasEspiritualidade

Deus nos colocou aqui para algo mais, algo nobre, o qual cada um de nós é portador…

Deus nos colocou aqui para algo mais, algo nobre…



Qual é a sua missão de vida, o seu propósito? Você já parou para pensar nisso?

Que você é muito mais que um departamento, uma empresa, uma faculdade?

O que você pretende deixar para o mundo, o que você considera mais importante em você? Talvez haja em você, uma habilidade ou muitas que poderão contribuir para outros.


Penso sempre que somos muito mais que a casa que habitamos o lar que construímos, a rua que moramos, o bairro que escolhemos, a cidade onde nascemos, no Estado X, País…

Sempre há em nós algo que possa contribuir primeiramente para nós, nos aprimorando, para ser com o outro o que gostaríamos que fosse conosco.

O propósito de vida é uma lembrança de quem somos e do impacto que causamos no universo. Isso faz com que a vida seja completa e feliz. Descobrir a sua missão de vida pode ser uma tarefa desafiante para alguns. Porém, independente do esforço necessário, vale a pena. Se você conseguir encontrar uma missão de vida inspiradora para você, nunca mais você terá problemas de motivação. Todos os problemas serão pequenos, quando comparados ao seu propósito.

Eu fico me perguntando se nós estamos aqui apenas para comer, beber, dormir, reproduzir, morrer e projetar a vida (comprar casa, carro, viajar, casar, ter filhos, etc…) se não há algo mais além disso, como se a vida fosse apenas mesmo, projetável e ponto. Perceber como leva a própria vida é um ato de amor e consideração para com a sua existência nesse planetinha azul e para com os outros: será que você é mais uma das pessoas que acorda às 5h da manhã com o despertador, ainda sonolento e cansado, levanta-se, mal toma um café direito, sai às pressas para o seu trabalho e lá permanece por 8, 9, 10, 12 horas para receber um salário pouco gratificante ao final do mês (agora sem chances de aposentadoria), e chega à noite para assistir às novelas, as ‘maratonas’ de série da Netflix e a um famoso jornal para ver as notícias (em geral, tristes ou ruins), achar-se bem informado, depois vai dormir e, no dia seguinte, tudo outra vez e outra vez e, de forma mecânica, vai levando a vida, trabalhando para enriquecer o seu patrão e louco para chegar a sexta-feira, o fim de semana para descansar, beber a cervejinha e, já no domingo à noite, ficar desanimado por lembrar que o dia seguinte começará com a mesma rotina de sempre: Segunda-feiraaaa!


Não estou dizendo que você deva abandonar o seu trabalho. Até porque precisamos nos manter num nível que dê para sobreviver em nosso já abandonado Brasil (a não ser que despertemos desse torpor, e queiramos de vez, dar vazão ao poder que temos, sabemos que temos e que não sei por qual motivo, não nos apoderamos dele. Nós o povo, a sociedade, podemos muito. Não deveríamos deixar o Brasil como está…).

Mas, voltando ao propósito de vida, acho que Deus nos colocou aqui para algo a mais, algo nobre, que cada um de nós é portador, não se repete, pois cada um é único e dotado, portanto de habilidades únicas que somadas, se complementam, se expande.

Note bem, se essa rotina faz com que você se sinta um ser que está contribuindo positivamente para você mesmo e seu semelhante e se você está sentindo um crescimento com isso, ótimo! Mas se por acaso essa rotina for apenas para sua sobrevivência e você não percebe perspectivas de mudanças, imagino que fará parte das pessoas que passam a vida reclamando do trabalho, do patrão, do governo, da sociedade porque não melhoram suas vidas.

Busque um sentido para sua existência, experimente novas possibilidades, aprenda com os vencedores que nos fizeram bem e com os grandes líderes da humanidade, arrisque-se mais na realização de seus sonhos mais íntimos!


Anote suas vontades palpáveis, que podem ser realizadas com o que tem a mão.

Faça algo com estes sonhos. Coloque para fora de si o seu melhor, por você primeiramente, para os outros, para tudo ao seu redor.

Deixe fluir…

Artigo Anterior

Dicas para começar a trabalhar a sua espiritualidade:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.