publicidade

Tudo na vida são escolhas…

É assombroso ter de escolher e decidir a cada segundo e, para piorar, não poder culpar ninguém, se algo der errado.



Todos temos medo das escolhas, porque elas, além de dolorosas e decisivas, podem levar ao fracasso, e todos temos medo de fracassar e, mais ainda, de os outros notarem que estamos “na pior”. Muitas vezes, as escolhas são dolorosas e sacrificantes, mas são necessárias, pois as boas escolhas nos levam ao sucesso, enquanto as más nos ensinam como não errar novamente.

Vivemos alardeando nosso desejo de liberdade, mas não notamos o pânico que sentimos quando somos livres para escolher, porque aí nós nos tornamos os culpados pelas escolhas, sejam elas boas ou ruins. Nós nos tornamos os “senhores dos nossos destinos”. É assombroso ter de escolher e decidir a cada segundo e, para piorar, não poder culpar ninguém, se algo der errado.

Pablo Neruda disse: “Você é livre para escolher, mas prisioneiro das suas escolhas.”

Já parou para pensar em quantas escolhas já fez hoje e em como elas impactaram a sua vida? Se você escolheu comer algo calórico ou não, escolheu sair a estudar, se fez isso e não aquilo, em todos esses momentos você estava escolhendo e, automaticamente, deixando de fazer algo.


Todos queremos muitas coisas e sonhamos com elas mas, para consegui-las, além de decidir que aquilo é realmente importante, precisamos fazer escolhas que as tornem possíveis.

Como decidir o que é realmente importante na hora de escolher? 

A melhor forma de fazer isso é simplesmente listando as suas prioridades. Pare um momento e pense no que o faz feliz, no que traz satisfação a você e quais são seus planos de vida. Liste-os por ordem de importância. Eles devem ser agora o guia para as suas escolhas. Se você escolhe priorizar sua vida profissional, fazer um curso de aperfeiçoamento, é mais importante do que sair no fim de semana com os amigos. Se a família for a escolhida, então você pode deixar de lado uma confraternização com os colegas de trabalho, e assim por diante.


Visualizar seus objetivos é a forma mais fácil de conseguir escolher. Lembre-se de sempre atualizá-los e não tenha medo de mudar a ordem deles ou adicionar outros, quando tiver vontade.

Não vá para os extremos das escolhas! 

Não é porque você escolhe priorizar a sua família, que estará a todo momento com ela, ou se escolheu o trabalho, que estará sempre tentando ser promovido e reconhecido. Uma boa escolha é sempre fazer um pouco de tudo, é aproveitar o melhor e não cair no radicalismo de ficar focado em sempre escolher para um único objetivo.

Permita-se escolher outras coisas e sair da rotina. Às vezes, mudar o foco e viver novas situações dá a você a oportunidade de pensar em suas decisões e prioridades, de perceber se suas convicções estão corretas ou se devem ser mudadas.

Não tenha medo de admitir que errou! 

Todos cometemos erros e enganos, é impossível sempre acertamos nas escolhas. Não precisamos ir muito longe para ver o erro de alguém ou o nosso. Reconhecer que erramos e ser íntegros para corrigir é uma das obrigações que temos ao escolher.

Não tenha vergonha de mudar a sua decisão ou de simplesmente resolver “inovar” em alguma escolha. Mude, permita-se o diferente. Tenha cautela e pense sempre nas consequências de seus atos, mas permita-se viver. Escolher é muito importante, mas não podemos ficar presos à obrigação de sempre escolher corretamente e com isso nos tornarmos engessados e calculistas.

Somos livres para viver! Não se prenda o tempo todo a regras e escolhas, pense e tente agradar ao seu racional e emocional em todas as decisões. E, se ao final, algo der errado, orgulhe-se de ao menos ter tido coragem de tentar ser ou fazer.

Lembre-se de que você sempre pode começar novamente e, mais ainda, você sempre pode se reinventar e se transformar.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Na Urchin/Pexels.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.