Minha ansiedade não é uma escolha (pare de dizer para eu me acalmar)



Como eu queria que as pessoas entendessem o que é conviver com a ansiedade. Elas acham que ela está totalmente sob nosso controle, que podemos escolher simplesmente melhorar e lidar com os nossos problemas deixando para trás todos esses sentimentos que parecem nos consumir de dentro para fora, sugando tudo o que é bom e nos deixando sem esperança e sozinhos.

Desculpe decepcioná-lo e colocar o seu discurso de positividade de lado, mas a ansiedade não é uma escolha, não é algo que possamos escolher deixar de lado ou desligar quando não estamos nos sentindo à vontade.

Não podemos reservar todos os sentimentos apenas para os dias em que sentimos que podemos lidar com eles. Seria muito mais simples se fosse assim, mas esta não é a realidade.

Ter ansiedade é viver uma vida que parece não ser sua e não encontrar a força dentro de si mesmo para mudar as coisas.

A ansiedade é constante, mas alguns dias parece soltar um pouco do nosso braço, e por curtos momentos pensamos que estamos livres, que não precisaremos mais conviver vinte e quatro horas por dia com esse sentimento que nos suprimi, nos afasta de nós mesmos. No entanto, essa sensação não dura muito tempo, ela sempre aparece novamente, e parece sugar toda a nossa esperança.

Quando temos ansiedade, perdemos muito do controle sobre nossas próprias vidas. Não sentimos que as escolhas estão sendo feitas por nós mesmos, nossa felicidade parece estar nas mãos de algo muito maior, que brinca com a gente. Não há uma válvula de escape para a ansiedade.

Convivemos com uma grande de dose de complicação todos os dias, e ouvir das pessoas próximas que precisamos simplesmente relaxar ou levar a vida com mais calma apenas piora a situação.



Nossa doença não pode ser reduzida a uma simples falta de autocontrole ou de vontade de melhorar.

Só porque a ansiedade afeta mais o interior do que o exterior, não significa que não seja grave o suficiente ou que possa ser resolvida simplesmente com uma mudança de atitude. Uma perna quebrada não se cura com sorrisos, e o mesmo serve para a ansiedade. Então, por favor, tenha mais consciência e respeito quando for fala com uma pessoa que vive dessa maneira. Você realmente não faz ideia do que ela está passando.

A ansiedade não é algo que você possa imaginar como é. É uma condição séria de saúde. É uma doença, muito incapacitante por sinal. Portanto, a menos que nunca tenha estado lá, não dê conselhos acreditando que é o dono da verdade ou que sabe exatamente o que o outro está sentindo.

Saiba que, se a solução fosse tão simples quanto relaxar, sorrir mais ou decidir melhorar, todos já estariam curados. Se conseguíssemos melhorar sozinhos, já estaríamos comemorando a libertação.

Infelizmente, não é simples, e o mínimo que você tem que ter por alguém que convive a ansiedade, se não for capaz de compreender sua situação, é respeito.


 






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.